Numa altura em que praticamente todas as marcas do Grupo Volkswagen aderiram já, ou prometem aderir em breve, à mobilidade eléctrica, a Skoda tem vindo a manter-se como o bastião dos motores de combustão… Mas não por muito tempo. Depois de um período literalmente “a leste” da mobilidade eléctrica, a marca anuncia agora que os eléctricos e híbridos passarão a fazer parte, em breve, do seu portefólio. A começar num Skoda Superb híbrido plug-in, que será apenas o primeiro de vários produtos a surgirem nos próximos sete anos.

A revelação foi feita pela própria marca checa, assegurando que do plano estratégico em vigor até 2025 fazem parte vários modelos híbridos e eléctricos. Os quais, acrescenta, desempenharão um importante um papel nas vendas. Com a Skoda a prever que um em cada quatro carros vendidos, seja, no futuro, um eléctrico ou híbrido.

As expectativas do fabricante de Mladá Boleslav vão no sentido que, até 2025, a marca possa ter à venda um total de cinco modelos eléctricos. Embora a ofensiva comece já em 2019, com um híbrido – mais concretamente, uma versão híbrida plug-in do topo de gama Superb. Tal como noticiámos em 2016.

O exemplo da Volkswagen

Nesta ofensiva eléctrica, é expectável que a Skoda venha a contar com a ajuda da empresa-mãe, a Volkswagen, cuja marca principal tem já em comercialização várias alternativas híbridas do género, como é o caso do Volkswagen Golf GTE ou do Passat GTE. E que, de validade já comprovada, garantem, por exemplo, autonomias em modo exclusivamente eléctrico na ordem dos 50 km.

Já no que aos 100% eléctricos diz respeito, a Volkswagen comercializa o e-Golf, modelo com uma autonomia de 300 km, e o e-up!, com uma autonomia de até 160 km.