Drogas

Aumenta consumo de álcool por mulheres e idosos e de canábis pela população em geral

Em relação ao álcool há alguma repressão de comportamentos de risco entre os jovens, mas há um aumento do consumo de canábis na população em geral, bem como de consumo de álcool por mulheres e idosos.

BRITTA PEDERSEN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O diretor-geral do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD) destacou esta quarta-feira o consumo de canábis e de álcool entre as mulheres e idosos como os pontos mais negativos em matéria de toxicodependência em Portugal.

A propósito do “Relatório Anual sobre A Situação do País em Matéria de Drogas e Toxicodependências 2016”, que foi apresentado na Assembleia da República, João Goulão elegeu como “dados mais relevantes e mais negativos” este aumento dos consumos nas mulheres e nos mais velhos.

Segundo o relatório, entre 2012 e 2016/17, o “consumo de risco elevado/nocivo” diminuiu nos homens, mas aumentou nas mulheres, sendo que a dependência aumentou em ambos os sexos, embora com maior relevo nos homens.

“O agravamento das prevalências de dependência foi transversal a todos os grupos etários decenais (exceto no dos 25-34 anos), e com particular relevância nos mais velhos (55-64 anos e 65-74 anos)”, sublinha o documento.

Em declarações à agência Lusa, o diretor-geral do SICAD afirmou que, “apesar de haver algumas inflexões e alguns dados que “preocupam, o panorama relativo aos comportamentos aditivos em Portugal tem, de uma forma geral, vindo a melhorar”.

Como dados positivos, João Goulão apontou o “retardar da experimentação e a perceção de risco que os mais jovens vão tendo relativamente às substâncias ilícitas”.

“Mesmo em relação ao álcool há alguma repressão de comportamentos de risco entre os mais jovens, mas como contraponto temos um aumento do consumo de canábis na população em geral, um aumento do consumo de álcool entre as raparigas e mulheres e nos grupos etários mais velhos”, frisou.

João Goulão adiantou que a intervenção preventiva tem sido muito focada nos mais jovens, mas os resultados apresentados apontam que é necessário “afinar a pontaria para o próximo ciclo estratégico” e investir também junto da população mais velha, através de intervenções no local de trabalho ou nos cuidados de saúde primários.

Questionado pela Lusa sobre as causas que poderão ter levado a este aumento dos consumos nas mulheres, João Goulão disse que não tem uma resposta com sustentação científica.

“Podemos especular e apontar algumas causas como a participação cada vez maior das mulheres na vida social, na vida laboral e a sua maior independência. Tudo isso as aproxima de comportamentos que antes estavam mais reservados aos homens”, comentou.

“Chegámos a ter proporções em relação às substâncias ilícitas na ordem dos 90 homens para 10 mulheres ou 80/20 e agora estão quase equiparados”, sublinhou.

Relativamente aos mais velhos, apontou como uma das razões que poderá estar na base do aumento do uso problemático do álcool o período de crise económica e social que Portugal viveu.

“Muitos cidadãos e famílias viram-se confrontados com dificuldades crescentes e a velha máxima de beber para esquecer pode estar presente nesse aumento do consumo caracterizado pela embriaguez”, disse João Goulão, adiantando que se verificou a característica de um consumo “muito intensivo em determinadas ocasiões, contrariamente ao padrão habitual, que era um uso talvez excessivo, mas distribuído ao longo dos dias e das semanas sem haver estes picos que levam à embriaguez”.

Para o responsável, valeria a pena investigar no meio académico as causas que levaram à mudança de comportamentos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)