Ciência

Há um lagostim que consegue clonar-se. E o exército está a invadir o nosso planeta

597

Não precisa de fertilização nem de macho e fêmea: o lagostim marmoreado consegue reproduzir-se sozinho. Só que o pequeno crustáceo está a formar um exército e a invadir o planeta.

Vivam na Alemanha ou em Madagáscar, o ADN dos lagostins marmoreados é praticamente impossível de distinguir

Em 1995, um alemão decidiu comprar um saco de pequenos lagostins para colocar no aquário. Dias depois, o aquário estava totalmente cheio daquele marisco. O dono ficou perplexo: tinha comprado, propositadamente, somente fêmeas, para evitar a reprodução. Ainda assim, tinha agora três vezes mais lagostins do que aqueles que tinha inicialmente levado para casa. Como é que é possível? Os lagostins eram, na verdade, clones.

Este processo, chamado partenogénese, implica que os ovos das fêmeas não precisam de ser fertilizados: nascem e tornam-se autênticas “cópias” da mãe. Os cientistas, surpreendidos, chamaram a esta espécie “lagostim marmoreado”. Nos anos que se seguiram, os investigadores perceberam que este pequeno crustáceo não estava só em aquários na Alemanha. Estavam, estão, na natureza e são perigosos invasores.

Apesar da sua venda estar atualmente banida na União Europeia e nos Estados Unidos, os lagostins marmoreados já foram encontrados em bosques e florestas na Alemanha, Itália, Eslováquia, Suécia, Japão e Madagáscar. Zen Faulkes, um investigador da Universidade do Texas, explica à Atlantic que “cada um deles tem a capacidade de se reproduzir e cada um deles pode começar uma nova população”. “Estamos a ser invadidos por um exército de clones”, atira.

Mas agora, e pela primeira vez, os cientistas conseguiram mapear o ADN destes lagostins marmoreados. E a descoberta é impressionante: todos eles são, de facto, clones que descendem de um único lagostim que, de alguma maneira, adquiriu a capacidade de se reproduzir sozinho. Os ADN destes 11 crustáceos – que foram recolhidos tanto na Alemanha como em Madagáscar – quase não é distinguível.

Outro facto interessante é que os lagostins marmoreados têm três conjuntos de cromossomas. A maioria dos animais têm apenas dois: um herdado da mãe, outro herdado do pai. A proveniência do terceiro grupo de cromossomas é ainda desconhecida e não se sabe se é este conjunto extra que permite a reprodução sem fertilização destes pequenos crustáceos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ciência

Ciência em Portugal: o jogo do empurra

Cláudia Botelho
201

O Decreto-Lei parecia a luz ao fim do túnel, o fim da figura de eterno bolseiro de investigação e o primeiro passo para o fim da precariedade em ciência. Infelizmente, a situação está igual ou pior.

Bioética

Eutanásia: ouvir os avisos da Holanda

Isabel Galriça Neto
1.391

Os factos e a realidade da Holanda estão à vista de quem os quiser ver, não podem ser ignorados, e suportam a inconveniência de fazer uma lei que permita a eutanásia na linha das propostas existentes.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)