Rádio Observador

China

China e União Africana negam espionagem de Pequim à sede da organização

A China e a União Africana negaram as acusações de espionagem chinesa à sede da organização. O jornal francês Le Monde acusava o país asiático de ter instalado microfones secretos.

SASCHA STEINBACH/EPA

Responsáveis chineses e africanos classificaram esta quinta-feira uma investigação do jornal francês Le Monde que indica que Pequim espiou a sede da União Africana (UA) como uma tentativa de desestabilizar as relações bilaterais.

Moussa Faki, presidente da Comissão da UA, o cargo executivo mais importante da organização, disse esta quinta-feira aos jornalistas em Pequim que não acredita que a China tenha espionado o edifício da organização em Adis Abeba. “São tudo mentiras”, afirmou Faki, após um encontro com o ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, Wang Yi.

“Não há manobras que nos possam distrair ou desviar do nosso objetivo” de fortalecer as relações com a China, acrescentou Faki, que anunciou ainda que a UA vai abrir este ano um novo escritório em Pequim. As novas instalações na capital chinesa serão disponibilizadas pelo Governo chinês.

O ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, Wang Yi, afirmou sobre a reportagem do Le Monde que “tentativas de dividir a China e África não serão bem-sucedidas”.

“Algumas pessoas, alguns poderes, não querem ajudar África a desenvolver-se”, apontou Wang. O responsável chinês afirmou que o apoio da China ao desenvolvimento de África é feito “altruistamente”, enquanto outros países têm os seus próprios interesses.

Citando várias fontes internas na UA, o Le Monde assegurou que os informáticos da organização constataram há cerca de um ano que o conteúdo dos servidores da Internet da organização foi transferido para outros servidores na cidade chinesa de Xangai.

As mesmas fontes dizem que essas transferências ocorreram desde 2012, após concluída a construção do novo edifício da UA. Os servidores foram alterados em 2017, quando essa falha no sistema foi descoberta. A nova sede da UA, o mais alto edifício de Adis Abeba, com 22 andares e uma sala de conferências com 2.500 lugares, foi uma “oferta da China a África”

O Le Monde acrescenta que, após ter sido exposta a transferência dos dados para a China, especialistas da Etiópia em segurança descobriram microfones escondidos nas mesas e paredes das salas da sede.

A China é desde 2009 o maior parceiro comercial de África. Pelas estatísticas chinesas, em 2015, o comércio China-África somou 169 mil milhões de dólares (138 mil milhões de euros), mais do dobro do comércio de África com a Índia, que surge em segundo lugar, à frente dos Estados Unidos.

A China é, por exemplo, o maior cliente do petróleo angolano. Há quase 30 anos que o ministro dos Negócios Estrangeiros da China começa sempre o ano com uma viagem a África.

No início deste ano, Wang Yi esteve em Angola e São Tomé e Príncipe. No final de 2015, o Presidente chinês, Xi Jinping, prometeu conceder aos países do continente um total de 60 mil milhões de dólares (49 mil milhões de euros) em empréstimos e crédito à exportação.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)