Rádio Observador

IPSS

“A situação da Raríssimas é grave e muito maior do que qualquer pessoa ou presidente”. Nova direção faz apelo a donativos

1.007

Sónia Laygue assumiu o cargo há um mês e deparou-se com quebra significativa nos donativos. Apoios do Estado têm mantido associação a funcionar.

MÁRIO CRUZ/LUSA

“Podemos ser os melhores mecânicos do mundo, mas sem gasolina é impossível fazer o carro andar novamente.” É assim que Sónia Margarida Laygue ilustra a situação da associação Raríssimas, a que preside desde 3 de janeiro deste ano. “Ajudem-nos a salvar a Raríssimas, a cuidar dos nossos utentes”, apelou esta sexta-feira numa conferência de imprensa convocada pela associação, onde foi pedido aos mecenas um reforço dos donativos e aos cidadãos que apoiem a instituição, abalada pelo escândalo da anterior direção de Paula Brito e Costa, suspeita de uso indevido dos fundos da Raríssimas.

A direção de Laygue — também ela mãe de uma criança com uma doença rara — escusou-se a revelar números concretos sobre a queda de donativos, afirmando que ainda está a estudar os dados financeiros, mas garantiu tratar-se de uma “quebra significativa”, já que muitos dos mecenas que apoiavam a instituição optaram por se afastar na sequência das notícias negativas. Contudo, questionada pelo Observador, a presidente deixou claro que sem o apoio do Estado, sobretudo na forma dos contratos com a Segurança Social na Casa dos Marcos e noutros lares residenciais, a associação não teria conseguido manter-se a funcionar em pleno durante este mês de janeiro. “O apoio do Estado é vital para a sobrevivência da Raríssimas”, sublinhou.

No entanto, embora a situação seja “delicada”, Margarida Laygue garantiu que a continuidade dos tratamentos não esteve em causa e que “a gestão diária está assegurada”. A Raríssimas conta atualmente com cerca de 140 trabalhadores e responde a cerca de 1500 pedidos de ajuda por ano, segundo dados da direção.

Direção diz adeus ao BMW e reforça práticas transparentes

A renovada presidência da Raríssimas garante estar a pôr em marcha uma série de medidas com vista a recuperar a saúde financeira da instituição e a restaurar a confiança da sociedade. “Estamos a negociar com os fornecedores planos de pagamento para conseguir cumprir com todas as necessidades que temos”, ilustra a presidente.

Para além disso, a associação decidiu cortar alguns custos como o afamado BMW que Paula Brito e Costa conduzia e que custava quase mil euros por mês à instituição. “Era um custo mensal que tínhamos e que era dispensável para uma associação sem fins lucrativos”, diz Sónia Margarida. Para além disso, a Raríssimas compromete-se a rever e a “racionalizar” alguns aumentos salariais que estavam previstos e que ficarão agora adiados.

Paula Brito e Costa, ex-presidente da Raríssimas

A necessidade de distanciamento de práticas do passado levou a nova direção a assumir o que define como um compromisso com a transparência: “Não temos nada, mesmo nada, a esconder. Não queremos tomar conclusões definitivas sobre o passado, mas precisamos de garantir o futuro.” Para isso, a instituição criou um sistema em que comunicará aos seus mecenas o destino concreto de cada donativo concedido.

“A suspensão de Paula Brito e Costa mantém-se, as contas bancárias já estão sob a nossa responsabilidade”, garante a nova presidente, num esforço claro de reforço da confiança. As mudanças, diz a direção, vão para além da troca de rostos: a Raríssimas está atualmente a alterar a sua governance (regras de conduta), a criar um novo organograma e a manter sessões de porta aberta com a direção. Mais do que isso, pretende complementar a sua auditoria anual com uma auditoria global, de maior escala, estando para isso a consultar empresas do sector.

“Só se fala de Paula Brito e Costa e de Margarida Laygue, mas a causa é muito maior do que isso.”

Para trás fica a direção de Paula Brito e Costa cujas práticas, denunciadas por uma reportagem da TVI, podem representar desvio de fundos da instituição. A direção de Sónia Laygue não se alonga em considerações sobre o passado: “Não temos meios para avaliar os atos em causa”, diz a presidente, sublinhando que os esclarecimentos das autoridades competentes, internas e externas, surgirão “nos momentos próprios.”

No entanto, a presidente não se coibiu de reconhecer alguns erros do passado ao abrir a conferência agradecendo aos jornalistas: “Sem a comunicação social, o caso [de Brito e Costa] poderia ser identificado demasiado tarde e por isso mesmo agradecemos o vosso trabalho”, disse. Com apenas um mês de vida, a nova direção da Raríssimas reconhece estar a viver “uma fase atribulada” que necessita de “serenidade”, razão pela qual fez este apelo a contribuições.

Margarida Laygue pede aos mecenas “e aos portugueses” que acreditem na “boa fé da nova direção”. “Tendo em conta a crise reputacional que vivemos e o seu impacto na contribuição de vários mecenas, sentimos que é necessário mudar o rumo das coisas”, afirma. Para isso, sublinha, a Raríssimas necessita de donativos para manter a Casa dos Marcos a funcionar em pleno e dar apoio aos seus utentes e famílias dos portadores de doenças raras: “Só se fala de Paula Brito e Costa e de Margarida Laygue, mas a causa é muito maior do que isso.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt
Racismo

A Instrumentalização Política do Preconceito (2)

Vicente Ferreira da Silva e Miguel Granja

A ideia de que certos indivíduos membros da espécie humana pelo facto de partilharem alguns atributos arbitrários se esgotam em predicados grupais é objectivamente racista e sexista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)