Brasil

Brasil. Presidente diz que vai manter ajuda humanitária aos venezuelanos no país

Michel Temer afirmou que o Brasil está numa "disputa diplomática com a Venezuela", mas que o seu Governo continua a tentar prestar "ajuda humanitária" às dezenas de milhares de venezuelanos no país.

Joedson Alves/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente brasileiro, Michel Temer, reiterou esta sexta-feira que apesar da “disputa diplomática” com a Venezuela, o seu Governo vai fornecer “ajuda humanitária” aos venezuelanos que emigraram para o Brasil fugindo da crise no seu país.

Estamos numa disputa diplomática com a Venezuela porque não concordamos com a maneira como as coisas acontecem [por lá]“, disse o Presidente, numa entrevista à rádio Guaíba, do estado brasileiro do Rio Grande do Sul.

O chefe de Estado sublinhou que, apesar das diferenças políticas, o seu Governo continua a tentar prestar “ajuda humanitária” à Venezuela e expressou preocupação com a situação de dezenas de milhares de venezuelanos que se estabeleceram na região norte do Brasil.

O Presidente brasileiro disse que, para tentar aliviar as necessidades desses venezuelanos, quatro ministros visitaram a cidade de Boa Vista, capital do estado fronteiriço de Roraima, para onde cerca de 40 mil cidadãos venezuelanos emigraram.

“Existe uma preocupação permanente com os refugiados venezuelanos”, disse. Michel Temer destacou também a assistência financeira enviada pelo Governo brasileiro ao município de Boa Vista, diante da necessidade de ajudar os venezuelanos, que já representam mais de 10% da população daquela cidade.

A delegação que visitou Boa Vista foi chefiada pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann. Na última quinta-feira, encontrou-se com autoridades daquela cidade e também com grupos de venezuelanos, muitos destes a viverem em abrigos municipais ou nas ruas.

Raul Jungmann disse que estava chocado com a situação e reiterou que o Governo do Brasil fornecerá toda a ajuda possível. Como primeiro passo, o ministro anunciou que será conduzido um censo para determinar quantos venezuelanos chegaram em Roraima e quais são as suas necessidades.

Dependendo dos dados obtidos, o Governo pretende financiar a construção de novos abrigos para pessoas em pior situação e promover a sua incorporação no mercado de trabalho, tanto em Roraima quanto em outros estados do país.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)