Assédio Sexual

Ex-agente da atriz Rose McGowan foi encontrada morta

Aos 50 anos, Jill Messick, ex-agente da atriz Rose McGowan, foi encontrada morta. A família acredita que os conflitos entre McGowan e Weinstein a levaram a cometer suicídio.

Jill Messick, ex-agente da atriz Rose McGowan

Jill Messick, produtora de Hollywood e ex-agente da atriz Rose McGowan — que acusou Harvey Weinstein de a ter violado no Festival Sundance, em 1997, o que o produtor nega veemente –, foi encontrada morta esta quarta-feira.

A família confirmou, num comunicado, que Messick se suicidou, e faz uma associação aos “efeitos colaterais” causados pelos conflitos entre Rose McGowan e o produtor de Hollywood, recentemente envolvido nos escândalos de assédio sexual. 

Em janeiro, o nome de Messick começou a aparecer nas manchetes dos jornais associado às alegadas acusações feitas pela atriz: Weinstein utilizou mails trocados entre ela e Ben Affleck para refutar as acusações a que McGowan faz referência no livro “Brave”. O e-mail da então agente da atriz referia que de facto aconteceu algo entre McGowan e Weinstein, mas que foi “consensual”. A família conta também que a atriz fez queixas a Messick, na altura, sobre o alegado abuso, mas que não utilizou a palavra “violação”.

Para além do caso dos mails, a atriz McGowan disse recentemente que Messick não a apoiou na luta contra Weinstein e que, mais tarde, conseguiu um novo trabalho através dele: trabalhou para a Miramax entre 1997 e 2003. Estas situação, segundo os familiares, fizeram com que a ex-agente entrasse numa espiral de comportamentos depressivos, tendo até lhe sido diagnosticada com um transtorno bipolar. 

Ver o seu nome nas manchetes associado à tentativa desesperada de Harvey se defender foi devastador. Ela quebrou por completo, numa fase em que estava a começar a colocar a sua vida nos eixos”, escreveu a família.

Ao que a BBC apurou, Messick escolheu, nos últimos tempos, ficar longe das luzes da ribalta neste caso, tendo optado por não “alimentar o frenesim” em torno do seu nome, para não “manchar a sua reputação”, ainda que “não tenha feito nada de errado”. Aos 50 anos, Jill Messick morreu em Los Angeles.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)