Leiria

Festival gótico de Leiria sai do castelo e muda nome para Extramuralhas

O castelo de Leiria está em obras, razão pela qual o Festival gótico Entremuralhas se vai realizar fora daquele espaço histórico, passando, assim, a chamar-se Extramuralhas.

PAULO CUNHA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O festival Entremuralhas vai mudar de nome e de localização, devido às obras de requalificação do Castelo de Leiria, anunciou esta sexta-feira a organização do evento, agendado para os dias 23, 24 e 25 de agosto, e rebatizado Extramuralhas.

Dedicado à cultura gótica e à música alternativa, o festival vai ter este ano diversas alterações, apresentadas neste dia, a par do principal cabeça de cartaz: os britânicos Current 93. A saída do Castelo de Leiria, que serviu de palco durante os últimos oito anos, é a mudança mais significativa. O monumento vai receber diversas obras de requalificação — no valor de 3,6 milhões de euros – que vão impedir a utilização.

Em alternativa, o festival desce à cidade, anunciou a associação Fade In: “O castelo tem sido o grande imã do Entremuralhas. Não é fácil criar um evento que tem como ex-libris o Castelo de Leiria e, de repente, ficarmos suprimidos desse elemento de atração”, afirma o presidente da associação, Carlos Matos.

O festival passa a chamar-se Extramuralhas enquanto o castelo estiver em obras, mas mantém “o epíteto de festival gótico”.

“Estamos expectantes e com muito medo” da reação do público à mudança, admitiu o organizador. Mas “o impacto negativo do anúncio da saída do castelo pode ser colmatado com a qualidade da programação”. A Igreja da Misericórdia, o Jardim Luís de Camões, o Teatro José Lúcio da Silva e um novo espaço dedicado a concertos, a abrir até agosto, na cidade, Stereogun, vão receber os concertos em 2018.

“A cidade está dotada de equipamentos que, de certa forma, podem replicar o que acontece no castelo”, nota o organizador.

No jardim, os concertos de Extramuralhas têm entrada livre, o que será uma oportunidade para mais pessoas tomarem contacto com o festival: “Todos vão poder ver artistas que normalmente vão ao Entremuralhas e centenas de pessoas que nunca foram ao festival, por preconceito, medo ou impossibilidade económica ou até física, vão ter uma pequena amostra do que acontece entremuralhas e acontecerá agora extramuralhas”.

Por outro lado, no Teatro José Lúcio da Silva, haverá condições para levar ao festival bandas que, de outro modo, nunca poderiam atuar no Castelo de Leiria — “por exemplo, porque usam pianos de cauda, impossíveis de colocar no castelo”.

Em 2018, o programa terá entre dez a 12 bandas. Sete estão confirmadas: o alemão Christian Wolz, os espanhóis Captains, os russos Shortparis, os franceses Horskh, todos pela primeira vez em Portugal, e ainda os suecos Priest, os noruegueses Ulver e os britânicos Current 93. Carlos Matos destaca a aposta nos Ulver e Current 93, “grandes nomes dentro do circuito alternativo”.

“É um esforço muito grande da Fade In. São nomes muito, muito caros, mas acreditamos que vai valer a pena, porque fãs de todo o mundo vão querer ver. Estamos muito orgulhosos por poder anunciar estes nomes”, sublinha. Para o vereador da Cultura da Câmara de Leiria, as alterações ao festival, que se devem aplicar pelo menos nos próximos dois anos, significam “um novo ciclo”.

“Era inevitável, devido às obras. Teríamos sempre de vir cá para baixo [na cidade]. Mas Leiria tem todas as condições para poder fazer um festival único e especial neste período de agosto”, disse Gonçalo Lopes, que acredita na capacidade de atração do Extramuralhas.

“Vamos ter muita gente a visitar Leiria, além dos habituais visitantes do festival. Podemos mudar o paradigma, o cenário, a beleza, no que diz respeito à relação com a cidade”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

Web Summit e provincianismo

Fernando Pinto Santos

Porque é a investigação académica tão desconsiderada em Portugal? Talvez porque moldes ou toalhas não sejam tão glamorosos como uma app com um nome estrangeiro numa conferência com o nome de Summit.

Bragança

Bragança tem gente culta e fica aqui

Nuno Pires

“Bragança fica longe de Lisboa, é certo, mas também Lisboa de Bragança. Porém, estamos mais perto de Madrid, Paris, Salamanca, Barcelona e do resto da Europa”

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)