RTP

RTP vai reformular contratos dos ‘falsos’ recibos verdes

Segundo o Sindicato dos Jornalistas, o presidente do Conselho de Administração comprometeu-se a reformular todos os contratos definidos como 'prestação de serviços', assinados ou ainda por assinar.

O Conselho de Administração da RTP comprometeu-se a reformular todos os contratos definidos como “prestação de serviços” na televisão pública, avançou esta sexta-feira o Sindicato dos Jornalistas (SJ), em comunicado.

De acordo com o sindicato, numa reunião com o presidente do Conselho de Administração da RTP, o responsável terá usado a expressão “lapso” para explicar a “inaceitável redação dos denominados contratos de prestação de serviços, apresentados nos últimos dias aos jornalistas falsos recibos verdes”. No encontro com a direção do sindicato, “o presidente do Conselho de Administração comprometeu-se a reformular todos os contratos definidos como ‘prestação de serviços’, assinados ou ainda por assinar”, conta o SJ.

“Do novo contrato não constará a Cláusula 7 — ‘Integração'”, que foi recusada e denunciada pelo SJ no início da semana, lê-se no comunicado. A referida cláusula sujeitava o trabalhador precário, em pleno processo Programa de Regularização Extraordinária dos Precários do Estado (PREVPAP) “a afirmar que a relação de subordinação com a RTP ‘não existirá nem deseja que venha a existir'”.

Os serviços jurídicos do sindicato “já estão a analisar a nova proposta do denominado Contrato de Prestação de Serviços que será brevemente apresentado pela empresa a todos os trabalhadores precários, enquanto ainda não há decisão final sobre o processo de integração”.

A direção do SJ já tinha alertado os “falsos recibos verdes” da estação televisiva, abrangidos pelo programa de integração dos precários, para não assinarem aditamentos contratuais, temendo o impacto das novas cláusulas. Na quinta-feira também o Bloco de Esquerda questionou o Governo sobre os contratos de prestação de serviços propostos pela RTP aos falsos recibos verdes, uma “manobra ilegal e inaceitável de pressão” ao condicionar a possibilidade de futuro reconhecimento de um vínculo laboral.

Numa pergunta dirigida aos ministérios do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social e da Cultura — e a que a agência Lusa teve acesso — os bloquistas denunciam que os trabalhadores precários da RTP “foram confrontados com um contrato de prestação de serviços no qual estão ínsitas cláusulas que visam constranger a possibilidade de futuro reconhecimento de um vínculo laboral com a empresa”.

“Os trabalhadores foram, assim, persuadidos a assinar um contrato de prestação de serviços que pretende supostamente esvaziar o PREVPAP, evitando a candidatura destes trabalhadores”, condenam. A notícia tinha sido avançada quinta-feira pelo Público, tendo o professor catedrático de Direito do Trabalho, Jorge Leite, avançado a este jornal que a cláusula em causa é inválida e “é um hino à imaginação e ao malabarismo”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)