Presidente Trump

Trump sobre assessor acusado de violência doméstica: “Fez um trabalho ótimo”

Rob Porter, assessor do presidente norte-americano, foi acusado pelas ex-mulheres de violência doméstica. E demitiu-se na quarta-feira. Esta sexta, Trump reagiria e desejou a Porter "o melhor".

Mike Theiler-Pool/Getty Images

Donald Trump pronunciou-se sobre a demissão do assessor Rob Porter esta sexta-feira.

Mas foi já na quarta, lembre-se, que Porter deixou a Casa Branca — onde era figura em ascensão e considerado próximo de Trump — depois de o Daily Mail ter divulgado, horas antes, uma ordem judicial que o proíbe de se aproximar da ex-mulher. Jennifer Willoughby acusa Porter de violência doméstica, física e psicológica. Também a anterior mulher, Colbie Holderness, o acusa do mesmo, apresentando o Daily Mail fotografias desta com um olho negro causado, alegadamente, por uma agressão do ex-assessor da Casa Branca.

[Rob Porter] fez um trabalho ótimo. E desejamos-lhe o melhor”, começou por dizer o presidente norte-americano, acrescentando depois que está “surpreendido” e “triste” com as alegações de Jennifer Willoughby e Colbie Holderness, embora relembre que o seu ex-assessor se diz “inocente”.

Antes de Trump, também o vice-presidente Mike Pence tinha comentado as acusações contra Rob Porter, mas para se declarar “escandalizado”. Para Pence,  “não há lugar para a violência doméstica — quer na Casa Branca, quer na América”.

Mas não foi só Pence a declarar repúdio face às acusações de violência contra Porter. Também John Kelly, chefe de gabinete de Trump, o declarou, afirmando estar “chocado” com uma situação “inaceitável”. Mas lembrou, contudo, que o ex-assessor é um “homem de verdadeira integridade e honra”. O problema é que a CNN garantiria que Kelly sabia das acusações de violência doméstica há muito. Ainda assim, John Kelly manteria a declaração.

Quanto a Rob Porter, o acusado, afirmou desde o começo — e mesmo após a saída da Casa Branca — as alegações das ex-mulheres são “ultrajantes” e uma “completa falsidade”. “Tenho sido completamente transparente e verdadeiro sobre estas vis alegações. Mas não irei mais contribuir publicamente para esta campanha conjunta de difamação”, concluiu o ex-assessor da Casa Branca.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpalma@observador.pt
Eutanásia

Carta aos deputados do PSD sobre a eutanásia

Sofia Galvão

Os partidos não pediram um mandato aos eleitores em 2015 para alterar o statu quo no que diz respeito à eutanásia. Também por essa razão, os deputados do PSD têm a obrigação de votar contra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)