Relações

Um terço dos utilizadores espia parceiros nas redes sociais

Num relatório da Kaspersky e da Toluna sobre segurança online, metade dos entrevistados admite também que partilha as palavras-passe e pins dos dispositivos com o parceiro.

Edward Miller/Keystone/Hulton Archive/Getty Images

Quem nunca viu uma conta de Facebook cujo nome é, por exemplo, “Paulo e Célia Silva” ou “Inácio e Sílvia Fonseca Ferreira” que atire a primeira pedra — estes casalinhos unificados não vasculham, por razões óbvias, as redes sociais do parceiro.

Pondo a vergonha alheia de parte, saiba que, segundo um relatório da Kaspersky e da Toluna, um em cada três utilizadores consultados admite espiar os parceiros online. Isto nas relações mais “estáveis” — nas que são de desconfiança e, portanto, instáveis, metade dos utilizadores admite ter uma costela de “KGB” amoroso.

Lê-se também no relatório de segurança online que “os casais infelizes são mais propensos a pensar (31%) que a sua privacidade se encontra em risco, isto em comparação com aqueles (15%) em relações mais felizes”. São precisamente os casais menos felizes que pretendem manter privadas algumas das suas atividades: 76% em oposição a 54% dos entrevistados em relações “satisfatórias”. “Entr,e os principais temas ocultados estão as mensagens enviadas a outras pessoas, os gastos pessoais, alguns arquivos pessoais e os sites visitados”, escrevem a Kaspersky e a Toluna.

A privacidade e as atividades online são também motivo de desavença nos casais: um terço já discutiu após um dos parceiros ter visto algo que o outro não pretendia ter partilhado. O facto de metade dos casais partilhar as palavras-passe e pins dos seus dispositivos, e um em cada quatro utilizadores ter as suas contas guardadas nos dispositivos dos parceiros, não ajuda nada.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpalma@observador.pt
Crónica

Chefe é mais importante que filho /premium

Ruth Manus
3.864

É assim quem se passam todas as nossas semanas. Reunião em vez de filho. Cliente em vez de casamento. Burocracia em vez de saúde. Investidores em vez de amigos. Amigos distantes em vez de amores.

Crónica

Antes de trair alguém leia isso

Ruth Manus
167

Quando se é traído, nasce em nós um verdadeiro trauma, uma sequela. Não se trata da memória daquele incidente, mas de uma espécie de desconfiança eterna que passa a nos rondar.

Crónica

Meus pais e seus aparelhos eletrônicos

Ruth Manus
1.316

Parece que todos os aparelhos eletrônicos que os meus pais compram foram vítimas de algum tipo de maldição que tornou seu funcionamento algo absolutamente anormal. 

CDS-PP

Liderar gerações

Francisco Rodrigues dos Santos

Dar lugar ao mérito não é deixar alguém entregue à sua sorte. Pelo contrário. É permitir que o Estado renove a autoridade, limitando-se às tarefas de providência para estar mais próximo dos cidadãos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)