Património

CDS quer secretário do Tesouro no Parlamento a propósito de forte em Cascais

204

O CDS-PP quer que o secretário do Tesouro vá ao Parlamento explicar o porquê da demorada na passagem do forte de Santo António da Barra para a autarquia. Forte de Cascais está seriamente degradado.

O forte pertence à Direção-Geral do Tesouro e Finanças, que devia ter transferido a propriedade para a Câmara

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O CDS-PP quer ouvir com urgência no Parlamento o secretário de Estado do Tesouro para saber porque tarda a passagem da propriedade do degradado forte de Santo António da Barra, em Cascais, do Estado para a autarquia.

“Continua desde 2015 sem ser concretizada, deixando o Forte de Santo António da Barra numa situação de perigo e degradação”, escrevem os deputados populares no requerimento dirigido à socialista Edite Estrela, presidente da Comissão Parlamentar de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto. Os deputados democratas-cristãos salientam que o forte está abandonado e vandalizado, “com grafitis, destruição e degradação das cinturas de muralhas, do fosso e mesmo da capela”.

Atualmente, a dona do forte é a Direção-Geral do Tesouro e Finanças, que devia ter transferido a propriedade para a Câmara, que estima em seis milhões de euros o custo da recuperação do forte onde, em 1968, o ditador António de Oliveira Salazar deu a queda que o levaria a deixar o poder para Marcelo Caetano, acabando por morrer dois anos depois.

O presidente da câmara de Cascais, Carlos Carreiras, que já tinha alertado para a degradação do antigo forte militar no Estoril, disse hoje à Lusa que a visita do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, acompanhado pelo ministro da Defesa, José Azeredo Lopes, vai dar um impulso ao processo de cedência do edifício à autarquia, que pretende torná-lo sede de duas instituições.

O autarca garantiu que tem condições para assegurar os custos e que assim que estiver concretizada a cedência administrativa do forte de Santo António da Barra para o município — atualmente está sob a alçada do Ministério das Finanças — a autarquia tem equipas preparadas para dar início à intervenção, que deverá prolongar-se por um ano e meio. O forte pode vir a ser a sede da BioMarine, uma organização que se dedica às estratégias ligadas ao mar, a nível mundial, e do instituto Political Forum, responsável pelas Conferências do Estoril.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições no Brasil

O solipsismo colectivo /premium

Paulo Tunhas

Os missionários de esquerda vivem isolados do mundo numa bolha que generosamente lhes permite uma espécie de solipsismo colectivo. Só eles, como um todo, existem, só eles são dotados de alma.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)