Rádio Observador

Congresso do PSD

Pedro Duarte indisponível para integrar direção de Rui Rio

166

Pedro Duarte acredita que Rui Rio pode vencer as legislativas de 2019, mas não está disponível para integrar a direção do PSD. Rejeita Bloco Central, mas defende pactos de regime.

ESTELA SILVA/LUSA

O antigo líder da JSD, Pedro Duarte, acredita que Rui Rio pode ganhar as próximas legislativas, mas avisa que não está disponível para integrar a direção do atual líder. Em entrevista ao Jornal de Negócios e à Antena 1, Pedro Duarte considera que “está tudo em aberto” para as legislativas de 2019, já que “muita coisa ainda vai acontecer” e a sociedade portuguesa está na “expectativa” para “perceber e conhecer” o novo líder do PSD.

Pedro Duarte não quer, porém, colocar pressão em Rio. O antigo secretário de Estado não exige ao novo líder que vença as próximas eleições, já que essa obrigatoriedade “seria uma casca na banana colocada no terreno na nova liderança. O social-democrata apela que se dê “todas condições para que o PSD se afirme.” E acrescenta: “Isso é importante para quem é do PSD e, portanto, acredita que o PSD deve governar daqui a dois anos”.

Questionado sobre se estaria disponível para integrar uma direção de Rui Rio, Pedro Duarte diz que está disposto a dar o seu “contributo e ajudar” e garante que quer que “corra bem esta liderança“, mas avisa que não podem contar com ele para a cúpula do partido: “Tenho alguns constrangimentos na medida que tomei uma decisão há alguns anos de sair da vida política ativa e, de facto, dedicar-me à minha carreira e vida profissional e académica. Não tenho nenhuma razão para mudar isso nesta altura. O líder do partido sabe isso”.

Ou seja: ser vice-presidente de Rui Rio não é motivação que baste para voltar à política ativa. E, portanto, explica Pedro Duarte o contributo será “dado civicamente, através de ideias, de moções, que possa ajudar a encontrar as melhores soluções para o país”. Pedro Duarte manteve-se não alinhado nas diretas — nem apoiou Rio nem Santana — e por isso também não era propriamente um dos nomes prováveis a integrar a direção de Rio.

O antigo líder da “jota”, que apresentou uma moção ao Congresso com Carlos Moedas, defende a posição de Rui Rio nos acordos de regime. Para Pedro Duarte, o novo líder do PSD “tem mostrado uma atitude construtiva a esse respeito que é de salutar“, já que “não fecha portas por razões conjunturais, por razões de interesse partidário e tem mostrado, desse ponto de vista, um sentido patriótico”. No entanto acrescenta que os acordos de regime são um desafio que “não está nas mãos de um homem só”, por isso é “importante haver conjugação de forças e de circunstâncias que sejam favoráveis.”

Numa parte da entrevista referente às respostas rápidas, Pedro Duarte explicou, sobre o Bloco Central, que não gosta “da ideia de Bloco” porque “pressupõe uma sustentação no tempo, excessiva”, mas” a ideia de haver acordos e causas comuns [é] fundamental para o futuro do país”. O antigo líder da JSD classificou ainda Marcelo Rebelo de Sousa — de quem foi diretor de campanha, mas de quem se afastou após as eleições — como um “líder inspirador e absolutamente exemplar”. Definiu ainda Passos Coelho como um “patriota que desempenhou [uma] missão extraordinariamente difícil” e que fica na “história como uma reserva importante para o país”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
PSD

Condenados ao fracasso

Zita Seabra
182

O PSD não precisa de ser confrontado do exterior e desafiado em ano de eleições. Necessita sim de se renovar e se questionar de dentro e por dentro e de sair da tristeza e do vazio em que se encontra.

Rui Rio

Os frágeis

Helena Matos
781

Estamos na mão dos frágeis. Rui Rio ganhou um congresso do seu partido; Costa perdeu as legislativas. Qual a legitimidade de Rui Rio para fazer acordos com Costa em matérias como a regionalização?

Congresso do PSD

Rui Rio, um novo Presidente?

José Pinto

Mostrar disponibilidade para consensos com os outros partidos parece uma ideia salutar. O problema reside na dúvida sobre a forma como Rui Rio pretende materializar essa ideia. 

Rui Rio

O PSD entrou para o «condomínio»?

Manuel Villaverde Cabral
125

Por mais que isso pareça inquietar a direcção do PSD, esta só tem como caminho opor-se frontalmente à actual política governamental. O contrário será eleitoralmente inútil e politicamente regressivo. 

Rui Rio

As prioridades do “novo PSD”

Helena Garrido
107

Descentralização, fundos comunitários, segurança social e justiça são as prioridades de Rio carentes de consensos. De todas elas a mais urgente é a segurança social. A menos compreensível é a justiça.

Ambiente

Ser ambientalista agora é muito fácil

Salvador Malheiro

Qual é a estratégia de descarbonização quando, neste mandato, o Bloco quis a todo o custo taxar as energias renováveis, se opôs à construção de barragens, à energia eólica e à exploração de lítio?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)