“Eu conheço Sara Casasnovas. Sei o que ela sofreu por causa deste caso. Nunca imaginei que eu também estava na lista. Porque é que ninguém nos disse?“. A pergunta foi feita por uma atriz ao jornal El País. É uma das 21 que, sem saber, consta na lista com fotografias de atrizes, potenciais alvos de Arndt Meyer — o alemão, de 48 anos, condenado a oito anos de prisão pela tentativa de assassinato da atriz espanhola Sara Casasnovas, que ficou conhecido como “caçador de atrizes”.

As fotografias que fazem parte da lista terão sido recolhidas secretamente por Meyer, a partir da sua cela, durante o período em que esteve preso. Das 21 atrizes, 18 são espanholas. Algumas delas, segundo o jornal, foram aos Prémios Goya — que distinguem os melhores na indústria cinematográfica espanhola — sem saber que estavam na mira do “caçador de atrizes”.

O advogado de Casasnovas, Carlos Castresana, e os procuradores pediram ao juiz para reabrir o caso. Castresana defende que Schultz R., um trabalhador de uma instituição religiosa sem fins lucrativos com ligações à embaixada alemã em Espanha, deve ser interrogado. Schultz fez visitas regulares a Meyer na prisão, levando Castresana a suspeitar que possa ter sido ele a fornecer as imagens das atrizes.

Os dados pessoais das mulheres — nomes, moradas e contactos telefónicos — constam num documento que o Ministério do Interior espanhol enviou para o tribunal que está a julgar o caso. De acordo com um porta-voz do tribunal, em declarações ao El País, o documento serve apenas para identificação das atrizes e não para lhes garantir proteção. Daí a pergunta: “Porque é que ninguém nos disse?”.

Não percebo porque é que não fomos avisadas sobre esta circunstância séria”, questionou-se outra atriz ao mesmo jornal.

É que imagens de outras oito atrizes já tinham aparecido num caderno que pertencia ao alemão. As imagens também foram encontradas na sua cela. Essas mulheres não só foram informadas, pelo tribunal, na altura em que Meyer foi deportado para a Alemanha, depois de cumprir oito anos de prisão, como foram tomadas medidas de segurança para as proteger. Tal não aconteceu com estas 21 atrizes, que desconheciam que podiam ser alvos potenciais do “caçador de atrizes”.

Em junho de 2009, Meyer tentou assassinar Sara Casasnovas, com uma besta, no exterior do Teatro Reina Victoria, em Madrid. Depois de oito anos de prisão, Meyer foi deportado para a Alemanha em maio do ano passado, na sequência da descoberta do bloco com imagens de potenciais alvos.