504kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Cancro. A "sentença de vida" da chefe do Facebook na Europa

Este artigo tem mais de 4 anos

Nicola Mendelsohn revelou publicamente, no início do mês, que tem um linfoma folicular. A vice-presidente do Facebook para a Europa, Médio Oriente e África decidiu que, apesar disso, não ia abrandar.

Nicola Mendelsohn é conhecida como a Mark Zuckerberg europeia
i

Nicola Mendelsohn é conhecida como a Mark Zuckerberg europeia

Jennifer Leahy

Nicola Mendelsohn é conhecida como a Mark Zuckerberg europeia

Jennifer Leahy

“Foi numa sexta-feira à tarde, fiz uma TAC e, essencialmente, ela revelou que eu tinha tumores de cima a baixo no meu corpo, tumores pequenos, por todo o lado. Passei de pensar em reuniões de trabalho e de planear atividades com os miúdos para, subitamente, ter este embate de frente. Pensar se iria viver ou morrer e quanto tempo teria.” O relato de Nicola Mendelsohn — a Mark Zuckerberg europeia, como é conhecida a vice-presidente do Facebook para a Europa, Médio Oriente e África –, em entrevista à BBC, é dado depois de uma carta publicada no britânico The Times no mesmo sentido. A entrevista e o texto seguem o mesmo propósito: alertar para uma doença silenciosa e mostrar que é possível continuar a viver.

“A minha sentença de vida”, titula o artigo publicado no início do mês no The Times e em que Mendelsohn revelava publicamente que está doente. Com alguma ironia, define o cancro que lhe apareceu de surpresa aos 40 e poucos anos, e que a levou a um choque de frente com a realidade, como uma sentença de vida.

“Estás a morrer, mãe?”, perguntou-lhe o filho mais novo, com 12 anos, quando a executiva do Facebook contou à família que tinha um linfoma folicular, um cancro no sangue, o quinto mais comum no Reino Unido.

“Não conseguia pronunciar uma palavra, não conseguia, literalmente… Eu não queria que o meu filho de 12 anos me fizesse uma pergunta daquelas”, contou à BBC dias depois de o seu testemunho ser publicado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O tipo de cancro de Mendelsohn é raramente curável — apenas 10% dos doentes supera a doença –, tem uma progressão lenta e, na maior parte dos casos, os doentes apresentam um perfil diferente do seu. “Devia ter 65 ou mais anos e ser um homem”, escreveu a vice-presidente da rede social com mais utilizadores no mundo no testemunho que o The Times publicou.

A doença, contudo, não significou um travão na sua vida. A sua página no Facebook é prova disso. Entre conferências, reuniões, entrevistas, Mendelsohn continua ativa — e é essa a mensagem que também pretende passar.

A 25 de janeiro, por exemplo, Nicola Mendelsohn surge num vídeo na sua página de Facebook. De vestido escuro, sem qualquer outra proteção, a responsável da rede social fez um direto a partir de Davos quando, ali, no meio das ruas cheias de neve, a temperatura andaria pelos cinco graus negativos.

“Por vezes, quando se recebe um diagnóstico como este, a pessoa muda: muda quem é, o que é importante para ela, as suas decisões… Isso não aconteceu comigo”, escreveu a responsável do Facebook. “Agora, estou noutra onda, mas fui sempre uma otimista, alguém que celebra a vida e agradece o que recebeu. Agora, sinto-me ainda mais agradecida”, garante.

A revelação foi feita a 4 de fevereiro, Dia Mundial do Cancro. Até à tarde em que soube da notícia, em 2016, Mendelsohn não fazia ideia do que era um linfoma folicular. Admitiu isso mesmo à BBC. E defendeu a ideia de que a doença, sendo mais comum do que à partida se poderia julgar, não tem o apoio que deveria ter. “Creio que não há consciência suficiente [sobre esta doença] e creio que também não está a ser direcionado dinheiro suficiente para a sua investigação.”

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.