Desemprego

Desemprego na OCDE desce para 5,5% em dezembro e fica abaixo do nível pré-crise

A taxa de desemprego no conjunto da OCDE está pela primeira vez desde 2008 abaixo do nível pré-crise, tendo descido para 5,5% em dezembro, menos uma décima do que em novembro.

WOO HE/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A taxa de desemprego no conjunto da OCDE desceu para 5,5% em dezembro, menos uma décima do que em novembro e pela primeira vez desde 2008 abaixo do nível pré-crise, foi anunciado esta segunda-feira.

Ainda assim, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) sublinha, num comunicado divulgado esta segunda-feira, que o número de desempregados nos 35 Estados-membros no final de 2017 era de 34,8 milhões de pessoas, 2,2 milhões de pessoas acima do verificado quando se começaram a fazer sentir os efeitos da crise.

A taxa de desemprego na zona euro manteve-se estável em dezembro em 8,7%, mas desceu em alguns países, designadamente em Portugal (três décimas para 7,8%), na Irlanda (duas décimas para 6,2%), na Eslovénia (duas décimas para 6,2%) e em Espanha (duas décimas para 16,4%).

Grécia e Espanha continuavam a ser os países com maior percentagem de desempregados da OCDE, designadamente com taxas de 20,7% em outubro (último dado disponível) e de 16,4% no final de 2017.

Fora da Europa, a taxa de desemprego também diminuiu de forma relevante em dezembro de 2017 em Israel (três décimas para 4%) e de forma menos marcada no México (uma décima para 3,4%), no Canadá (uma décima para 5,8%) e na Coreia do Sul (uma décima para 3,6%).

Nos Estados Unidos a taxa de desemprego manteve-se em dezembro em 4,1% pelo terceiro mês consecutivo e segundo os últimos dados voltou a não se alterar em janeiro.

Durante todo o ano de 2017, a taxa de desemprego na OCDE reduziu-se em sete décimas, com descidas que foram superiores a dois pontos percentuais na Grécia, Portugal e Espanha.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)