Filipinas

Duterte: é preciso “disparar nas vaginas” das guerrilheiras comunistas

293

O Presidente das Filipinas falava sobre as mulheres que fazem parte do grupo guerrilheiro Novo Exército do Povo. Assim, diz, "serão inúteis", num comentário criticado por organizações internacionais.

MARK R. CRISTINO/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

“Digam aos soldados que há uma nova ordem: ‘Não te mataremos, iremos disparar-te na vagina'”, disse Duterte numa reunião com ex-militantes do Novo Exército do Povo (NEP), um grupo comunista considerado “terrorista” pelos Estados Unidos e pela União Europeia.

Duterte referia-se às guerrilheiras do Novo Exército do Povo, ativo no arquipélago.

O chefe de Estado filipino referiu-se às militantes do NEP no passado dia 7 de fevereiro, mas a transcrição oficial da reunião só foi conhecida esta segunda-feira.

Na mesma reunião Duterte acrescentou que as militantes do NEP “sem vagina, seriam inúteis”, um comentário qualificado de “misógino” pela Human Rights Watch e várias organizações não-governamentais filipinas.

Duterte “está a incitar as forças governamentais a cometer atos de violência sexual em conflitos armados, o que constitui uma violação do direito humanitário internacional”, disse também a Human Rigths Watch.

A organização feminista filipina “Gabriela” disse através de um comunicado que Duterte “fomenta abertamente a violência contra as mulheres, contribui para a impunidade e assume-se como o ‘macho fascista’ mais perigoso do governo, neste momento”.

O presidente das filipinas, de 72 anos, já fez no passado vários comentários públicos considerados sexistas, misóginos e depreciativos em relação às mulheres.

Em junho de 2016, antes de assumir o cargo de chefe de Estado, Duterte foi fortemente criticado por ter contado uma “anedota” sobre uma freira australiana violada e assassinada num motim prisional e, mais recentemente, afirmou que “está disposto a oferecer 42 virgens” a cada turista que visitar as Filipinas.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)