Ford

Europa recebe primeiras unidades do Ford GT

Passado mais de um ano após o arranque da produção, os primeiros clientes europeus começam receber o seu Ford GT. Entre os quais está Jason Watt, um ex-piloto, hoje em dia numa cadeira de rodas.

Autor
  • Francisco António

Mais de três anos após ter sido apresentado no Salão de Detroit, e pouco mais de um ano depois do arranque da produção, o novo superdesportivo Ford GT começou a ser entregue aos primeiros clientes europeus. Uma das unidades foi para a Dinamarca, onde Jason Watt, um ex-piloto de competição que um acidente de moto deixou paraplégico, recebeu o muito desejado novo carro.

Depois de se ter candidatado, em Abril de 2016, com mais 6.505 entusiastas de automóveis em todo o mundo, a adquirir uma das primeiras 500 unidades do Ford GT, Watt torna-se assim no primeiro proprietário, em toda a região escandinava, de um dos novos superdesportivos da marca da oval.

No entanto, e conforme também avança a Ford, o facto de ter necessidades especiais vai levar a que o GT de Jason tenha de ser modificado, de forma a que o ex-piloto, que está paraplégico desde 1999, possa operá-lo apenas com as mãos. Sendo que, no tejadilho, serão igualmente montadas barras específicas, para transporte da sua cadeira de rodas.

O meu Ford GT é, provavelmente, o carro mais rápido do mundo que pode estacionar em espaços reservados para deficientes,” comentou, durante o evento de entrega do seu Ford GT em Copenhaga, Jason Watt, que já teve um GT da anterior geração (2005).

Recorde-se que o Ford GT é o mais recente superdesportivo da marca norte-americana, com carroçaria construída em fibra de carbono e motor EcoBoost de 3,5 litros V6 com 655 cv. Além disso, inclui um sistema de modos de condução, para proporcionar uma experiência em estrada o mais próxima possível daquela que é possível sentir ao volante de um carro de competição.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

A democracia não é absoluta

Mário Pinto

Depois da enunciação da da dignidade da pessoa humana, a Constituição portuguesa faz a listagem enunciativa dos "Direitos, liberdades e garantias". E começa dizendo assim: "A vida humana é inviolável"

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)