Rádio Observador

Angola

Isabel dos Santos garante que Sonangol recebeu dividendos da Galp

Administração da petrolífera angolana diz não ter registo de dividendos de centenas de milhões de euros. Filha do ex-presidente angolano tem uma versão diferente. É um mistério de 438 milhões.

MANUEL ARAÚJO/LUSA

Autor
  • Pedro Raínho

Isabel dos Santos, filha do ex-presidente de Angola, garante que a Sonangol recebeu os dividendos a que tinha direito enquanto acionista da Galp. Numa curta nota no Twitter, a empresária contraria a versão apresentada pela petrolífera angolana que diz não ter registo de dividendos da Galp — a empresa portuguesa na qual a empresária e a Sonangol controlam, indiretamente, uma participação através da holding Esperaza — entre 2012 e 2016.

É apenas uma declaração, mas que choca com a versão que a Sonangol tinha apresentado ao semanário Expresso no final da semana passada. No Twitter, a ex-presidente da petrolífera estatal escreveu esta segunda-feira que a empresa que dirigiu até dezembro do ano passado “recebeu os dividendos da Galp e pagou os impostos referentes aos mesmos dividendos às autoridades holandesas”.

A mensagem vem a propósito da notícia publicada na última edição do semanário Expresso, onde se questionava “onde param os 438 milhões de euros da Galp entregues à angolana Esperaza?” Em causa estão os dividendos a que a petrolífera teria direito enquanto detentora de 33,34% da Galp, através da Amorim Energia. A Amorim Energia é detida em 55% pela família Amorim e em 45% pela Esperaza — por sua vez, a Esperaza é detida em 40% por Isabel dos Santos e em 60% pela Sonangol.

Ao Expresso, Isabel dos Santos tinha negado a entrega de quaisquer verbas por parte da Galp. A empresária escreve agora no seu Twitter que, ao contrário do que alega a atual administração, a petrolífera angolana “recebeu os dividendos da Galp”. Mais, a filha do ex-presidente diz que a Sonangol “pagou os impostos referentes aos mesmos dividendos às autoridades holandesas”.

Não foi essa, no entanto, a versão apresentada pela petrolífera do Estado angolano ao Expresso. Aliás, fonte da presidência de Angola disse ao semanário que, “depois do que aconteceu no setor mineiro com a Sodiam, chegou agora a vez de a Sonangol envolver-se numa batalha para reaver os seus direitos”, numa referência aos dividendos que a Galp garante ter entregue à Esperaza, mas de cuja entrada não há registo nos documentos da petrolífera. A mesma fonte do Governo angolano dizia que o embate jurídico entre a Sonangol e a filha de Eduardo dos Santos é “uma situação que não vai deixar tranquilo o antigo Presidente”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)