Pedro Passos Coelho

Passos recusa falar sobre futuro do PSD e diz que não é comentador

144

Durante uma conferência na Universidade de Coimbra, o ainda líder do PSD recusou especular o futuro dos sociais-democratas. Pedro Passos Coelho afirmou que "não é comentador".

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O ainda presidente do PSD recusou esta segunda-feira falar sobre o futuro do partido e a nova liderança de Rui Rio, alegando que não é comentador e criticou a “gente tonta” que faz considerações sobre tudo o que pensa.

Questionado esta segunda-feira por um aluno da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC), no período de debate de uma conferência sobre o Orçamento do Estado de 2018, sobre a proximidade de Rui Rio à esquerda e o futuro do PSD na oposição ao Governo socialista, Passos Coelho deixou sem resposta a plateia de cerca de 300 alunos universitários.

“Não é porque eu não pudesse fazer comentários, mas eu não sou comentador. As pessoas pensam, evidentemente, mas não são obrigadas a dizer tudo o que pensam, senão nós assemelhávamo-nos a gente tonta que, em todas as circunstâncias, resolvia fazer considerações sobre todas as coisas que pensam”, afirmou Passos Coelho.

“O que eu penso sobre o que se passou nestas eleições do PSD, sobre a estratégia que vai ser seguida, sobre o que o doutor Rui Rio vai fazer ou não vai fazer é, por agora e por muito tempo, uma matéria que só a mim me diz respeito”, argumentou.

Passos Coelho lembrou que presidiu ao PSD durante oito anos e frisou que a “última coisa” que gostava de fazer era completar o mandato a fazer comentários sobre o futuro do partido.

“Foi um futuro a que eu não concorri”, sustentou Passos Coelho.

No entanto, o presidente dos sociais-democratas, que deixa a liderança no próximo fim de semana, revelou “muita confiança” em que o PSD desempenhe um papel “muito relevante” no espetro político e partidário português, manifestando-se seguro de que o partido “terá um papel decisivo no futuro”.

“Tenho a certeza de que toda a gente estará imbuída no melhor espírito para que o seu mandato seja bem sucedido. Porque o partido é de todos nós e a esmagadora maioria das pessoas que eu conheço dentro do meu partido só querem o bem ao seu país e querem que as coisas possam correr o melhor possível para futuro”, declarou Passos Coelho.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O PS é que sabe fazer política!

António Valle
837

Passos quis mudar a mentalidade e a cultura política. António Costa, que personifica a velha mentalidade e a velha cultura política, não deixou. Não quis! E travou a necessária mudança.

Pedro Passos Coelho

Coragem

Alexandre Homem Cristo
849

É razoável supor que os protestos produziram dano efectivo na vida de Passos Coelho: antes havia três universidades interessadas na sua contratação, depois dos protestos só uma realmente avançou.

PSD

Primavera chuvosa (e um até já)

Maria João Avillez
139

Convinha reparar que na cave e subcave onde se fabrica o veneno, a temperatura da indignidade e o grau da brutalidade – do insulto, da falsidade, do ódio – atingem picos que nunca se viram, nem usaram

Pedro Passos Coelho

Quem tem medo de Passos Coelho?

Rui Ramos
1.960

Na história portuguesa, Passos Coelho foi o primeiro chefe de governo que, num ajustamento, não pôde dissimular os cortes com desvalorizações monetárias. Governou com a verdade. 

Universidades

Pedro Passos Coelho nunca existiu

Paulo Tunhas
2.133

O ódio a Passos radica na sua energia, abnegação e estoicismo que surpreendeu muito boa gente – como eu, que mudei a opinião que dele tinha –, e que lhe permitiram controlar e dominar a bancarrota.

Eutanásia

Carta aos deputados do PSD sobre a eutanásia

Sofia Galvão

Os partidos não pediram um mandato aos eleitores em 2015 para alterar o statu quo no que diz respeito à eutanásia. Também por essa razão, os deputados do PSD têm a obrigação de votar contra.

Eutanásia

Carta aos deputados do PSD sobre a eutanásia

Sofia Galvão

Os partidos não pediram um mandato aos eleitores em 2015 para alterar o statu quo no que diz respeito à eutanásia. Também por essa razão, os deputados do PSD têm a obrigação de votar contra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)