Haiti

Presidente haitiano condena escândalo sexual que envolve funcionários de ONG no país

Port-au-Prince, 13 fev (Lusa) -- O Presidente haitiano Jovenel Moise denunciou como uma "violação extremamente grave para a dignidade humana" o caso do escândalo sexual que envolve responsáveis da Organização Não-Governamental (ONG) britânica Oxfam no Haiti.

JEAN MARC HERVE ABELARD/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente haitiano, Jovenel Moise, classficou como uma “violação extremamente grave para a dignidade humana” o caso do escândalo sexual que envolve responsáveis da Organização Não-Governamental (ONG) britânica Oxfam no Haiti.

“O que se passou com a Oxfam no Haiti é uma violação extremamente grave da dignidade humana”, disse Jovenel Moise, na sua conta de Twitter.

Notícias recentes dão conta que responsáveis da Oxfam, confederação de instituições humanitárias cuja sede se situa em Oxford, no Reino Unido, usaram dinheiro da ONG para pagar prostitutas no Haiti depois do sismo de 2010.

“Não há nada mais escandaloso e desonesto do que um predador sexual que usa a sua posição como parte da resposta humanitária a um desastre natural para explorar as pessoas carentes nos seus momentos de maior vulnerabilidade”, acrescentou.

Depois do escândalo, a subdiretora da Oxfam, Penny Lawrence, demitiu-se do cargo e admitiu que se “sentia envergonhada”. Helen Evans, que trabalhou como responsável global para a Oxfam entre 2012 e 2015, revelou que um dos cooperantes chegou a coagir uma mulher para ter relações sexuais “em troca de ajuda”.

Entre outros dados, o The Times informou que a Oxfam aceitou a demissão de três homens e despediu outros quatro depois de ter levado a cabo uma investigação sobre “exploração sexual, descargas de pornografia, abusos de poder e intimidações”.

Um dos homens que abandonou o cargo sem receber qualquer ação disciplinar foi o diretor da ONG no Haiti na altura, Roland van Hauwermeiren, que segundo o The Times admitiu que manteve encontros com prostitutas numa vivenda alugada para ele pela ONG.

O trabalho que a Oxfam desempenhou no Haiti foi parte do esforço internacional após o sismo que sacudiu Port-au-Prince, do qual resultaram 220.000 mortos e 300.000 feridos e 1,5 milhões de pessoas sem abrigo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)