Alojamento Local

PS admite apoiar sistema de quotas no alojamento local

212

Um dos responsáveis pelo projeto do PS para o alojamento local diz que o sistema de quotas é "um modelo admissível" e refere que o projeto do BE tem "questões muito interessantes".

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O coordenador do PS na comissão parlamentar de Economia e membro do grupo de trabalho sobre a reforma do regime de alojamento local referiu que o sistema de quotas é “um modelo admissível”.

As quotas são um modelo admissível. É um modelo que pode merecer acolhimento, mas não temos uma posição fechada, vamos esperar pelas audições”, disse ao Diário de Notícias Luís Testa. O socialista referiu ainda que esse sistema de quotas, que já recebeu o apoio do Governo, deve contar com um “papel relevante [dos] municípios”.

Além de poder ir ao encontro daquela que já era uma posição do governo, o PS pode assim aproximar-se daquilo que o PCP e o BE já defendiam neste tema. Sobre o projeto de lei dos bloquistas, onde está incluído a implementação de um sistema de quotas, Luís Testa diz que há “questões muito interessantes” e admitiu “acompanhar algumas”.

No entanto, criticou outra medida prevista pelo BE, que limita o aluguer de curta duração a 90 dias por ano. “Não acrescenta nada em termos de proteção para os condóminos”, sublinhou o socialista ao Diário de Notícias.

Entre socialistas, este tema foi marcado por um projeto com a assinatura do grupo parlamentar do PS que acabou por não ver a luz do dia, por falta de apoio interno. Nesse projeto, estava prevista a possibilidade de os condóminos vetarem a decisão de um vizinho vocacionar um apartamento para alojamento local.

Agora, avança o Diário de Notícias, o projeto dos socialistas garante o poder de veto aos condóminos apenas na sequência de queixas repetidas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt
Casas

O verdadeiro problema das casas

Rui Ramos
512

O corrente pânico com o preço das casas expressa esta verdade, que a nossa oligarquia se esforça por esconder: o país passa por uma prosperidade que não é para todos. 

Eutanásia

A democracia não é absoluta

Mário Pinto

Depois da enunciação da da dignidade da pessoa humana, a Constituição portuguesa faz a listagem enunciativa dos "Direitos, liberdades e garantias". E começa dizendo assim: "A vida humana é inviolável"

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)