Estados Unidos da América

Diretor dos serviços secretos diz que EUA estão “sob ataque” e que Rússia vai influenciar eleições

O diretor da National Intelligence, a agência norte-americana de serviços secretos, disse que a Rússia teve os seus esforços nas eleições de 2016 "recompensados" e que vai tentar repetir o feito.

MATTEO BAZZI/EPA

O diretor da National Intelligence, a agência norte-americana de serviços secretos, considera que os EUA estão “sob ataque” e que não deve haver dúvidas sobre o risco de uma interferência russa nas eleições intercalares de 2018.

“Não deve haver dúvida alguma de que a Rússia entende que os seus esforços passados foram recompensados e que olha para as eleições intercalares de 2018 como um alvo potencial alvo para operações de influência russas”, disse esta terça-feira Dan Coats, ao Comité de Informações do Senado.

“Acreditamos que a Rússia vai voltar a usar propaganda, as redes sociais, falsos especialistas, porta-vozes favoráveis e outros meios para influenciar ou tentar implementar várias operações e exacerbar as fissuras sociais e políticas nos EUA”, disse dan Coats no Senado.

Em declarações à Associated Press, Dan Coats tornou a sublinhar a interferência russa nas eleições de 2016, em torno das quais está a ser investigada a hipótese de ter havido conluio entre o Kremlin e a campanha de Donald Trump.

Os russos subiram a parada no mundo cibernético, em particular em 2016″, disse. “Nós pensamos que é muito improvável vermos um afrouxar dos esforços para fazer o mesmo.”

A possibilidade de a Rússia tentar influenciar as eleições intercalares de 2018 já tinha sido referida pelo Secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson. “Não sei se podemos dizer que estamos mais bem preparados, porque os russos também se vão adaptar”, respondeu o chefe da diplomacia norte-americana a uma entrevista na Fox a 7 de fevereiro, quando lhe perguntaram sobre a capacidade dos EUA de impedirem uma interferência russa.

O importante é continuarmos a dizer à Rússia: ‘Oiçam, vocês pensam que não vemos o que vocês estão a fazer. Mas nós estamos a ver e vocês têm de parar. E se não pararem, vão continuar a criar as vossas próprias consequências”, acrecentou Rex Tillerson.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)