Frente Comum

Frente Comum anuncia manifestação nacional para 16 de março

A Frente Comum anunciou uma manifestação nacional para 16 de março. Ana Avoila não descarta a hipótese de avançar com uma greve.

RODRIGO ANTUNES/LUSA

A Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública anunciou esta quarta-feira uma manifestação nacional para 16 março, em Lisboa, para exigir aumentos salariais de 4% ainda este ano e não descartou a hipótese de avançar para uma greve.

O anúncio foi feito pela dirigente da Frente Comum, Ana Avoila, à saída de uma reunião no Ministério das Finanças com a secretária de Estado da Administração Pública, Fátima Fonseca.

Ana Avoila começou por dizer que “a pressão que se fez nestes últimos tempos” sobre o Governo tem dado frutos, referindo-se às progressões dos assistentes operacionais, que, tal como a estrutura sindical reivindicava, vão subir para o quarto escalão e não para o terceiro, disse.

“Mas não queremos ficar por aqui. O Governo não responde à proposta de aumentos salariais e portanto vamos à luta. Já marcámos uma semana de luta de 12 a 23 de março […] e uma manifestação nacional para 16 de março para todos os trabalhadores manifestarem o seu descontentamento e exigirem aumentos de salários e carreiras dignas”, anunciou Avoila.

A dirigente da estrutura afeta à CGTP lembrou o crescimento da economia, dizendo não perceber por que motivo os trabalhadores não têm direito a aumentos ainda em 2018.

“Não vamos desarmar”, assegurou a sindicalista, acrescentando que “a miséria de descongelamento de progressões remuneratórias não chega” e que a Frente Comum vai insistir numa atualização salarial de 4% ainda este ano.

“Rapidamente o Governo arranja uma provisão onde os vai encontrar e, se não o fizer, vai sofrer as consequências”, avisou ainda a sindicalista, afirmando que “não está afastada a hipótese de uma greve” se o Governo insistir em não dar aumentos aos funcionários públicos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

Liderar gerações

Francisco Rodrigues dos Santos

Dar lugar ao mérito não é deixar alguém entregue à sua sorte. Pelo contrário. É permitir que o Estado renove a autoridade, limitando-se às tarefas de providência para estar mais próximo dos cidadãos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)