Rádio Observador

Videojogos

Monster Hunter: World. Quando a caça ao monstro é para quase todos

Monster Hunter é uma das séries de maior sucesso comercial da última década, mas também uma das menos acessíveis. Com "Monster Hunter: World", a Capcom quer chegar a mais gente do que nunca.

Monster Hunter: World torna-nos um caçador de monstros colossais

Autor
  • Rubber Chicken

Monster Hunter é um dos maiores casos de sucesso comercial da última década. Uma série de RPGs de ação que nos coloca na pele de caçadores de monstros e cujo ambiente levou a milhões de vendas no Japão até conquistar o mundo nos anos subsequentes. O mais recente título, Monster Hunter World, lançado há duas semanas, já vendeu 5 milhões de unidades nos primeiros três dias de lançamento e é sobre o que o distingue dos outros que falamos nesta antevisão.

Esta série da histórica Capcom tem como elementos fundamentais o extremo desafio que coloca, não só pela dificuldade em derrotar as gigantescas criaturas mas pela limitada informação que o jogo dá para consegui-lo. Monster Hunter nunca “deu a mão” aos jogadores de forma a facilitar-lhes a vida. Jogá-lo assume-se sem rodeios como uma tarefa árdua, morosa, mas em que a satisfação de conseguir derrotar estas titânicas criaturas compensa as muitas horas investidas.

Desde sempre que a experiência de Monster Hunter se centrou na experiência de jogo e não na narração. Existem ligeiras semelhanças com outro título do mesmo ano de lançamento, o Shadow of the Colossus, que também quase resumia o jogo a um combate com criaturas gigantes. Mas, no caso deste, esses duelos eram expressões de uma belíssima história que está a ser contada, enquanto que no caso do outro, cada luta é um fim em si mesmo. Monster Hunter: World tenta trazer maior peso ao enredo do que os seus antecessores, mas falha em criar algo verdadeiramente interessante e rapidamente nos lembra que o seu foco é mecânico, e não narrativo.

Este é, sobretudo, um jogo que vive quase exclusivamente das boss fights em si mesmas e da emoção que estas acarretam. Mas lutar contra uma serpente marinha com largos metros de comprimento pode não ser tarefa fácil se não tivermos o equipamento correto. E é nessa investigação, descoberta e preparação que circunda o grande ónus do jogo: o grind intenso. Apesar de termos explicado em profundidade a definição de grind neste artigo, esta atividade resume-se a uma repetição da mesma ação na procura de obter itens que podem sair aleatoriamente.

No caso de Monster Hunter, o grind prende-se com a tónica de caça-recoleção de todo o jogo: para desenvolvermos melhores armas e armaduras precisamos de materiais. Esses materiais são usualmente encontrados como espólios de caça dos monstros, sejam eles dentes, escamas, ossos, e afins. A lógica é mesmo essa: para podermos combater um monstro temos de repetidamente derrotar outros para deles recolher materiais, equiparmo-nos com melhores ferramentas e assim sucessivamente. Um ciclo quase interminável que obriga a uma entrega de tempo tremenda, levando-nos muitas vezes a encarar o ato de jogar esta série como um segundo emprego, virtual e sem retorno que não seja a satisfação da vitória.

As fundações de Monster Hunter mostravam as pré-concebidas diferenças culturais entre o Ocidente e o Japão, percebendo-se que foi originalmente desenvolvido para o mindset nipónico. Os consumidores japoneses têm uma grande proximidade com títulos com repetição e grind, nos quais o desafio intenso é ultrapassado pela noção de progressão e auto-evolução. Mas, com as fronteiras conceptuais a esbaterem-se num mercado global, não demorou muito para que Monster Hunter encontrasse milhões de fãs para lá da ilha do sol nascente. O único problema com a série, assim como atestámos em artigos de análise das iterações anteriores, é que o seu desafio e lógica de repetição não é abrangente a todos. Aliás, é seguro assumir Monster Hunter como uma das séries menos fáceis de “entrar” para novos jogadores.

Sem sacrificar o que faz de Monster Hunter um jogo com tantos milhões de fãs, a Capcom decidiu repensar a série para que ela seja mais abrangente e reflita o mercado globalizado como o conhecemos. Até porque, convenhamos, se não existirem demasiadas barreiras intransponíveis a novos jogadores isso equivalerá a novos compradores. E os números crescentes de vendas de iteração em iteração têm comprovado que Monster Hunter tem margem de crescimento em termos de público.

Com este Monster Hunter: World (o primeiro da série com lançamento simultâneo em todo o mundo), a Capcom tornou a jogabilidade mais acessível. A adição de scoutflies, uma espécie de pirilampos que indicam o trajeto até aos monstros que temos como alvo de caçada, vem quebrar com alguns dos aborrecimentos que a série tinha até aqui. Algum do tempo que perdíamos nos títulos anteriores passava por andar literalmente à caça, percorrendo mapas por pistas e indicações de onde encontrar os monstros que procurávamos. Estes pirilampos vão “evoluindo” ao longo do jogo, permitindo-nos de forma mais eficaz e mais rápida identificar rastos e pistas que nos levem rapidamente aos nossos alvos.

A fauna deste mundo foi mais uma vez surpreendentemente criada. Apesar das criaturas com as quais nos cruzamos serem obras de fantasia, o seu comportamento está mais animalesco do que nunca, mimetizando a “personalidade” de animais que tão bem conhecemos. É esta ideia de vida orgânica e de imprevisibilidade no comportamento dos monstros que tornam o desafio de os caçar (tarefa essa que pode ir até a uma hora de luta) como algo interessante de se experimentar.

Monster Hunter: World, apesar de mais acessível, continua a demonstrar-nos que tal como em toda a série, experienciar o que ele tem para nos oferecer é uma tarefa que requer entrega e aprendizagem. Seja por percebermos quais as armas (de um leque de 14 tipos diferentes que podemos livremente escolher) mais eficazes para combater uma determinada criatura, ou por conhecermos melhor o seu habitat e comportamento. O grande foco que este novo título tem estende-nos esta partilha de conhecimento ao facto de coabitarmos o mundo com outros jogadores e com eles podermos criar grupos de caça para ultrapassar os desafios mais duros. E no extremo, aprendermos e desenvolvermos novas estratégias de caça com eles.

Os monstros continuam sem informação direta sobre se estão próximos de morrer, o que significa que a tensão ao longo de toda a batalha é constante — do primeiro ao último momento. Existem alguns sinais e indicadores de que estes titãs já tiveram algum dano, mas nada é transmitido de forma direta, como as usuais barras de vida, para que possamos ter noção se falta muito para sermos vitoriosos ou não.

Apesar da maior acessibilidade, Monster Hunter: World continua a não ser o jogo mais “amigável” de se jogar e não é de todo indicado a jogadores mais casuais. O desafio de combater os monstros não só continua elevado, como o simples ato de navegar os menus internos do jogo continua a ser uma missão digna de estudos académicos avançados. Situação esta de experiência de jogo que até complica algo simples, como tentar criar ou procurar grupos de caça.

Se Monster Hunter: World se apresenta como um dos melhores da série em muito se deve também ao brilhantismo visual. O esforço artístico na construção deste mundo é soberbo e existe um sentimento constante de surpresa pelo quão bonito e deslumbrante este jogo consegue ser em todos os instantes.

Este novo jogo da Capcom e exclusivo temporário da PS4 e Xbox One (que chegará ao PC no final do ano) é um título com largas dezenas e possivelmente centenas de horas de conteúdo para ser explorado. O facto de termos ultrapassado apenas marginalmente as primeiras dez horas de jogo não nos deixa confortáveis, de momento, para criar uma avaliação justa, mas o melhor remate que podemos deixar a esta espécie de antevisão prende-se com a sua acessibilidade. Sempre tivemos algumas reticências em sentirmos o apelo que tantos milhões de jogadores sentem com esta série, mas Monster Hunter: World parece ter esbatido ligeiramente essas barreiras que nos mantiveram “de fora” por mais de dez anos. É decerto um dos títulos mais envolventes e exigentes deste início de ano. Mas não é feito para todo o tipo de jogadores.

Ricardo Correia, Rubber Chicken

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)