Crédito à Habitação

Novo crédito à habitação totaliza 819 milhões de euros em dezembro e atinge máximo de 2010

Os novos empréstimos à habitação totalizaram 819 milhões de euros em dezembro de 2017, "um valor máximo desde dezembro de 2010", anunciou o Banco de Portugal.

Paulo Cunha/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os novos empréstimos à habitação totalizaram 819 milhões de euros em dezembro de 2017, “um valor máximo desde dezembro de 2010”, anunciou esta quarta-feira o Banco de Portugal (BdP). Segundo o banco central, os novos empréstimos ao consumo rondaram os 401 milhões de euros e os novos créditos destinados a outros fins representaram 183 milhões de euros.

Já no que diz respeito às empresas, o volume médio mensal de novos empréstimos totalizou 2.404 milhões de euros em 2017, “o que representa um decréscimo de 83 milhões de euros em relação a 2016”, afirma o BdP. “Em 2017, as taxas de juro de novas operações de empréstimos continuaram a apresentar uma tendência decrescente, tendo atingido novos mínimos históricos em vários segmentos”, lê-se na nota do BdP.

A taxa de juro média dos novos empréstimos concedidos a empresas diminuiu para 2,16%, “um novo mínimo histórico”, e a taxa de juro média para habitação caiu para 1,57%, uma tendência que se verificou também no crédito ao consumo e para outros fins, com as taxas de juro médias a descerem para 6,88% e para 3,26%, respetivamente.

O banco central aponta ainda que, em dezembro de 2017, os empréstimos concedidos pelos bancos a empresas e a particulares (habitação) continuaram a apresentar taxas de variação anual negativas, “que se situaram em -2,2% e -1,7%, respetivamente, por comparação com -2,2% e -2,9% registadas no final de 2016”.

“Apesar das tva [taxas de variação anaul] negativas registadas ao longo de 2017, os depósitos de particulares nos bancos residentes totalizavam 139,3 mil milhões de euros em dezembro, traduzindo uma tva positiva de 0,2%, resultado da evolução verificada na segunda metade do ano, e que compara com uma tva de 1,0% em 2016”, afirma o BdP.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

A democracia não é absoluta

Mário Pinto

Depois da enunciação da da dignidade da pessoa humana, a Constituição portuguesa faz a listagem enunciativa dos "Direitos, liberdades e garantias". E começa dizendo assim: "A vida humana é inviolável"

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)