Rádio Observador

BCE

Parlamento Europeu chumba Guindos para o BCE. Mas quem manda é o Eurogrupo

Parlamento Europeu prefere o irlandês Philip Lane, mas a decisão só será tomada no Eurogrupo da próxima segunda-feira. Luis de Guindos, apoiado por Costa e Centeno, continua confiante na eleição.

AFP/Getty Images

A vida não está fácil para Luis de Guindos agarrar um grande cargo europeu. Na corrida à sucessão de Vítor Constâncio na vice-presidência do Banco Central Europeu, o ministro da Economia espanhol teve a primeira derrota na quarta-feira. Segundo o El Español, a Comissão de Assuntos Económicos do Parlamento Europeu considerou o governador do Banco da Irlanda, Philip Lane, como um candidato “mais convincente“. Além disso, as bancadas da esquerda, lideradas pelos socialistas europeus, manifestaram “reservas” sobre a nomeação de Guindos. Porém, embora importante, a posição do Parlamento Europeu não é vinculativa.

Aliás, quem vai tomar a decisão final são os ministros das finanças do Eurogrupo, que vão eleger o novo vice-presidente do BCE na reunião da próxima segunda-feira, 19 de fevereiro. E aí Guindos continua a ser, nas palavras do El Español, um “super favorito“. Além do apoio de ministros de Finanças da sua família política (o Partido Popular Europeu), Guindos conta ainda com o apoio de alguns socialistas europeus. Além disso, pode interessar à Alemanha continuar a ter um país do Sul na direção do BCE para poder ter um candidato à presidência na sucessão de Mario Draghi em 2019.

Só que Guindos chumbou no primeiro exame. Os seus falhanços em Bruxelas não são novos: o ministro da Economia espanhol e, durante muito tempo apontado como candidato à presidência do Eurogrupo, chegou a perder para Jerome Dijsselbloem. Antes de assumir que Mário Centeno era candidato à presidência do Eurogrupo, António Costa chegou a apontar o ministro da Economia espanhol (que é também ministro das Finanças) como o candidato apoiado por Portugal ao Eurogrupo. Mas Luis de Guindos é do PPE (direita europeia) e os socialistas europeus não abdicavam do lugar. Centeno começou a ser hipótese e, numa habitual união ibérica, Espanha foi um dos principais apoios de Centeno. Moeda de troca? Apoiar Guindos na corrida ao BCE.

Centeno foi eleito, Guindos ainda não. Mas disso Portugal não tem culpa. Costa já disse que apoia o espanhol para o BCE, tal como vários ministros das Finanças socialistas: além de Mário Centeno, também o eslovaco Peter Kazimir e o maltês Edward Scicluna.

Ainda assim, segundo o El Español, a opinião do Parlamento Europeu — da preferência por Philip Lane — foi transmitida esta quinta-feira ao presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, e ao ministro das Finanças da Bulgária, Vladislav Goranov, cujo país ocupa a presidência rotativa do Ecofin (ministros das Finanças da União Europeia). Mas o próprio De Guindos desvaloriza a “negativa” do Parlamento Europeu: “O importante é o que se vai passar no Eurogrupo e no Ecofin na próxima semana”. O espanhol disse ainda estar “otimista”, já que os apoios são “suficientes” para chegar à vice-presidência do BCE.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)