Infarmed

Agência do Medicamento revê segurança ao medicamento Esmya após casos de lesões hepáticas

O medicamento Esmya está a ser analisado, devido a casos de lesões hepáticas graves. Até que a avaliação seja concluída, a EMA e o Infarmed recomendam aos doentes que o utilizem que façam análises.

M

A Agência Europeia de Medicamento está a fazer uma revisão de segurança do medicamento Esmya, usado em tratamento pré-operatório e sintomas de miomas uterinos, após a notificação de casos de lesões hepáticas graves.

Segundo uma nota publicada na página da Internet do Infarmed, o Comité de Avaliação e Risco em Farmacovigilância (PRAC) da Agência Europeia de Medicamentos (EMA) foi notificado de casos de lesões hepáticas graves, incluindo casos de insuficiência hepática aguda que necessitaram de transplante.

Por isso, e até que a avaliação seja concluída, a EMA e o Infarmed recomendam aos doentes como precaução, durante o tratamento com Esmya, a realização de análises para verificar a função hepática.

“Se os testes indicarem problemas no fígado, o tratamento deve ser interrompido. Se apresentar náuseas, vómitos, dor de barriga, falta de apetite, fadiga ou cor amarelada dos olhos ou pele, contacte o seu médico imediatamente, uma vez que pode ser sintomas de problemas hepáticos”, é indicado na nota.

Aos profissionais de saúde é recomendado que o tratamento com Esmya não deve ser iniciado em novas doentes ou reiniciado em doentes que tenham terminado um ciclo de tratamento.

“A função hepática deve ser monitorizada, no mínimo mensalmente, em doentes em tratamento com Esmya. As doentes que, durante o tratamento, tenham um aumento dos níveis de transamínases para valores superiores ao dobro do limite máximo devem interromper o tratamento e ter vigilância apropriada”, é referido na nota.

Em Portugal, o medicamento Esmya, contendo acetato de ulipristal, está indicado para o tratamento pré-operatório e intermitente de sintomas moderados a graves de miomas uterinos em mulheres adultas em idade reprodutiva.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Um país de tansos e mansos /premium

Luís Reis
1.392

A PGR deveria ter sido reconduzida, Ivo Rosa merecia ter sido sorteado impecavelmente, a decisão sobre o Infarmed só podia ter sido anunciada depois de ponderada e Tancos tinha que ter sido evitado.

Medicamentos

Carta aberta à presidente do Infarmed

Guy Villax
385

Portugal é o 15º país da União Europeia, e o 29º do mundo, cuja agência do medicamento foi reconhecida pela sua contraparte norte-americana como tendo demonstrado integridade e competência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)