Cerca de 400 guardas prisionais estão esta sexta-feira em vigília junto à Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, em Lisboa, para exigir a demissão do diretor, Celso Manata.

A vigília, que começou às 11h e vai prologar-se até às 14h, é promovida pelo Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional (SNCGP) em protesto contra a introdução do novo horário de trabalho, em vigor desde 2 de janeiro em seis estabelecimentos prisionais. A medida foi implementada pelo diretor-geral, Celso Manata, contra aquilo que o sindicato defendeu nas reuniões de negociação.

O presidente do SNCGP, Jorge Alves, avançou à agência Lusa que estão presentes na vigília de protesto cerca de 400 guardas de vários estabelecimentos prisionais no país, munidos de bandeiras e cartazes onde se pode ler “exigimos respeito, não aceitamos ameaças e ditaduras” e “demita-se”, em referência a Celso Manata.

Jorge Alves disse ainda que neste dia a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, convocou os três sindicatos para uma reunião a realizar na segunda-feira.