Rádio Observador

Hospitais

Hospital de Gaia garante que suspensão da atividade cirúrgica é temporária

O Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho garantiu que o adiamento de cirurgias é temporário. A situação foi denunciada pelo bastonário da Ordem dos Médicos.

ESTELA SILVA/LUSA

O Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNG/E) garantiu esta sexta-feira que a suspensão da atividade cirúrgica adicional é “temporária” e que “cuidados de saúde prestados a todos os doentes têm sido assegurados”.

Contactada pela agência Lusa, na sequência de declarações do bastonário da Ordem dos Médicos que esta sexta-feira alertou para uma “situação dramática” no CHVNG/E, a administração deste centro hospitalar reagiu por escrito, garantido que “os cuidados de saúde prestados têm sido assegurados, de acordo com o preconizado pelas melhores práticas clínicas”.

No entanto, o CHVNG/E admite que existem “alguns desvios nos tempos de espera”, os quais, garantiu, “estão a ser normalizados”.

Esta sexta-feira, em declarações à Lusa, o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, denunciou que dezenas de cirurgias estão a ser adiadas no hospital de Gaia, incluindo oncológicas, por falta de camas para internar os doentes.

“Neste momento a situação é de caos total no hospital de Gaia. A chamada produção adicional em cirurgia, onde se operam dezenas ou centenas de doentes, foi fechada. Neste momento há dezenas de cirurgias adiadas, muitas da área oncológica em várias especialidades”, afirmou o bastonário.

O responsável diz ter conversado com vários médicos e até enfermeiros do hospital de Gaia e considera a situação da unidade como dramática.

Já em comunicado, o CHVNG/E afirma que o Plano de Contingência de Saúde Sazonal – Módulo de Inverno previu a abertura de 38 camas e que desse número, foram abertas 29.

“Porém, durante o período de maior atividade gripal, registamos um fluxo inferior ao esperado, havendo um reajuste para 20 camas, que permanecem abertas, assim como continua em vigor o Plano de Contingência”, lê-se no documento.

Relativamente às cirurgias, o centro hospitalar lembra que o Plano de Contingência abrange três níveis de ativação, em função do fluxo de doentes, e refere que “têm sido implementadas progressivamente as medidas previstas”.

“Dessa forma, e de acordo com o despacho nº2483/2017, de 23 de março de 2017, no âmbito do mesmo plano, e para reforçar o internamento em situação de maior procura dos serviços, está prevista a suspensão temporária da atividade cirúrgica adicional”, justifica o CHVNG/E.

Em causa está um centro hospitalar com unidades em Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, e em Espinho, distrito de Aveiro, que tem vindo a ser alvo de críticas.

Na quinta-feira o Movimento de Utentes dos Serviços Públicos (MUSP) denunciou que na quarta-feira havia utentes “com patologias passíveis de características infetocontagiosas amontoados há vários dias nas observações” do centro hospitalar, “por não existirem camas nas respetivas unidades de internamento”.

No mesmo dia, o Sindicato dos Enfermeiros revelou que dois enfermeiros foram agredidos e outros dois foram alvo de ameaças de agressão, em janeiro.

A vice-presidente do sindicato, Mariana Tomás disse à agência Lusa que os enfermeiros envolvidos “trabalham na zona de triagem de doentes” e que os incidentes ocorreram por os “agressores terem discordado da cor atribuída” no processo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)