Rio Tejo

Ministro do Ambiente mantém confiança na APA para resolver problema do Tejo

João Matos Fernandes afirmou a sua confiança no trabalho da Agência Portuguesa do Ambiente relacionado com a poluição do Tejo e realçou que a água do rio já cumpre os níveis de qualidade.

MÁRIO CRUZ/LUSA

O ministro do Ambiente afirmou esta sexta-feira a sua confiança no trabalho da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) relacionado com a poluição do Tejo e realçou que a água do rio já cumpre os níveis de qualidade.

“Tenho um hábito de gestão que é, quando existe um problema, resolvê-lo, conheço outros que, quando existe um problema, o que interessa é encontrar um culpado e flagelá-lo”, referiu João Matos Fernandes.

“Existindo um problema, estamos a resolvê-lo com a equipa que temos e para isso precisamos de todos e da APA com um papel muito importante neste processo”, acrescentou à margem da sessão de abertura do Congresso do Tejo III – Mais Tejo, mais Futuro, que decorre até sábado em Lisboa.

O ministro respondia a uma pergunta dos jornalistas sobre se ainda tem confiança na APA, depois de o Bloco de Esquerda ter defendido, na quinta-feira, a demissão do presidente da APA, Nuno Lacasta, caso haja responsabilidades deste organismo público na revisão da licença de 2016 à Celtejo, que permitiu “triplicar” os valores de descarga de efluentes no rio Tejo.

“Há que saber de quem foi a má ideia de triplicar” os valores de descarga de efluentes no rio Tejo à empresa de celulose Celtejo aquando da revisão da licença em 2016, disse o deputado do BE Carlos Matias, acrescentando que, se foi uma ideia do ministro do Ambiente, há responsabilidades políticas, e “se foi uma ideia do senhor presidente da Agência Portuguesa do Ambiente, então este tem que se demitir”.

Durante a sua intervenção na abertura do Congresso, o ministro do Ambiente afirmou que acontecimentos como aquele que sucedeu a 24 de janeiro, quando um manto de espuma branca, com cerca de meio metro, cobriu o rio Tejo na zona de Abrantes, já tinham ocorrido.

“Estou orgulhoso do que fizemos”, salientou o governante, referindo o trabalho das autarquias, da APA, da Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (IGAMAOT) e da EPAL.

Matos Fernandes garantiu ainda que o rio já recuperou a qualidade da água.

“Chegámos ao dia de ontem [quinta-feira] e nenhum ponto de amostragem de rede”, desde fronteira até Constância,”tinha menos de sete miligramas de oxigénio, sendo que a jusante do Zêzere havia mais do que nove miligramas, resumiu o ministro perante os participantes no congresso.

“Temos que garantir que assim será no futuro”, disse João Matos Fernandes, o que, segundo o ministro, passa por assegurar que serão definidos novos formatos de licenças para as indústrias que lançam efluentes no rio, as quais têm de ser adaptadas à capacidade de absorção, que varia no tempo.

O ministro reforçou ainda que “o problema de poluição está resolvido e há vários dias que a qualidade da água do Tejo é boa e a concentração de oxigénio por litro ultrapassa largamente o mínimo exigível”.

“Esta batalha está claramente ganha”, concluiu.

O foco de poluição no rio Tejo levou à realização de ações de inspeção extraordinárias nos concelhos de Abrantes e de Mação, estando ainda por identificar a origem do problema, mas o Ministério Público tem uma investigação em curso.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)