Quase nove anos depois de ter chegado à São Caetano à Lapa, Pedro Passos Coelho despede-se esta sexta-feira da presidência do PSD com um discurso no congresso. Depois de falar aos congressistas pelas 21h00, Passos ainda ficará para ouvir o discurso de Rui Rio, mas logo a seguir abandonará o Congresso e já não voltará. Fonte próxima do líder cessante do PSD, explica que o faz porque já “não é o momento dele”.

Passos Coelho também já não voltará à sede do PSD, na São Caetano à Lapa, uma vez que ao longo da última semana arrumou os objetos pessoais e fez as últimas mudanças. O gabinete está pronto a receber Rui Rio. Na quinta-feira à noite, Passos fez um jantar com o staff que o acompanhou ao longo dos últimos anos — onde além de assessores e adjuntos esteve também o secretário-geral José Matos Rosa.

Enquanto deputado, Passos Coelho ainda manterá a plenitude de funções por uns dias. Será assim até quarta-feira, 28 de fevereiro, dia em que abandonará o Parlamento e já não estará ligado a nenhum cargo político. Passos já tinha anunciado isso mesmo na última reunião da bancada parlamentar.

Passos Coelho começará depois, em março, uma vida de professor universitário, como avançou o Diário de Notícias. Segundo uma fonte próxima do líder cessante do PSD, o ex-primeiro-ministro “vai dar aulas na área económica em duas ou três universidades“. Ainda não foram reveladas quais são as universidades.