A portuguesa Cátia Azevedo (Sporting) alcançou este sábado os mínimos para a prova dos 400 metros dos Mundiais de atletismo em pista coberta, a disputar em Birmingham, ao cumprir a distância em 53,13 segundos, em Pombal.

No Nacional de clubes, Cátia Azevedo, recordista nacional nos 400 metros ao ar livre (51,63), conseguiu mínimos por dois centésimos de segundo e superou a melhor marca do ano, que já estava na sua posse (53,94).

“Eu não sei correr em pista coberta, sinceramente, porque é preciso ter uma parte inicial muito rápida, que eu não tenho. É muito difícil e a nossa pista não é propriamente a ideal. A prova não foi excessivamente rápida, como vou encontrar, mas foi uma das minhas mais rápidas e sabia que se mantivesse na parte crucial, dos 200 aos 300, teria uma boa marca”, explicou a atleta natural de Oliveira de Azeméis, de 23 anos.

Cátia Azevedo, 31.ª no Rio2016 e 39.ª nos Mundiais de 2017, junta-se a Lorene Bazolo (Sporting), nos 60 metros, Nelson Évora (Sporting), no triplo salto, e Tsanko Arnaudov (Benfica), no lançamento do peso, entre os atletas lusos com mínimos para os Mundiais, que vão ser disputados em Birmingham, entre 1 e 4 de março.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Estive ausente na semana passada [Nacional individuais] e tenho tentado ser mais rápida na parte inicial, mas não tenho conseguido, porque tive uma semana péssima, muito doente, e com alguns treinos não muito bons. Vim, não digo desmotivada, sem grande esperança. Acho que tenho garra suficiente e preparação para os Mundiais”, rematou a atleta, que tem como recorde pessoal 53,30.

David Lima (Benfica) falhou a confirmação da marca de referência nos 60 metros (6,63 segundos), na prova extra disputada este sábado em Pombal, com o tempo de 6,91. Francisco Belo (Benfica), no lançamento do peso, Patrícia Mamona (Sporting) e Susana Costa (Academia Fernanda Ribeiro), ambas no triplo salto, também tinham de voltar a obter as marcas, mas vão estar ausentes dos Mundiais, por recuperarem de lesões.