O ex-militar francês Nordahl Lelandais, autor confesso do assassinato da menina lusodescendente Maëlys de Araújo, foi internado na noite de sexta-feira num hospital psiquiátrico para evitar qualquer tentativa de suicídio, segundo a estação televisiva francesa BFMTV.

Lelandais foi internado apenas dois dias depois de ter admitido que matou Maëlys de Araújo, que estava desaparecida desde agosto do ano passado, e de ter colaborado com as autoridades francesas nas buscas pelo cadáver.

Fontes próximas da unidade hospitalar confirmaram à AFP que “não houve qualquer tentativa de suicídio”, mas que o ex-militar de 34 anos foi hospitalizado “como precaução” a pedido do seu advogado Alain Jakubowicz.

Na quarta-feira, o corpo de Maëlys de Araújo foi encontrado em Pont-de-Bonvoisin, em França, perto do local de onde tinha desaparecido em agosto do ano passado, depois de Nordahl Lelandais, que era o principal suspeito do rapto, ter confessado o homicídio e ter pedido às autoridades para se deslocar ao local do crime para identificar o sítio em que tinha deixado o cadáver.

Lelandais tinha enterrado o corpo num bosque e passou o dia de quarta-feira a orientar as escavações.

Na confissao, Lelandais disse ter matado a menina “por acidente” perto da sua casa, que ficava a cerca de 10 minutos do local onde decorreu o casamento, de onde Maëlys de Araújo desapareceu.

Maëlys desapareceu na madrugada de 26 para 27 de agosto, numa quinta na região de Pont-de-Beauvoisin, em França, a cerca de 85 quilómetros de Lyon.