501kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Depois de Bruno de Carvalho, Nuno Saraiva explica aos sportinguistas o que não devem fazer

Este artigo tem mais de 4 anos

Indicações do diretor de comunicação do Sporting incluem "ver ou participar em programas de debate desportivo" ou "escrever artigos que não sejam para o Jornal Sporting".

i

JOSÉ COELHO/LUSA

JOSÉ COELHO/LUSA

Depois de Bruno de Carvalho ter instado os sportinguistas a não lerem jornais desportivos e a não verem canais de televisão portugueses, acusando os media de publicarem calúnias contra ele, o diretor de comunicação do Sporting, Nuno Saraiva, veio especificar a lista de coisas que os sportinguistas não devem fazer.

“Ver ou participar em programas de debate desportivo, ser convidados a falar de temas do Sporting CP, escrever artigos que não sejam para o Jornal Sporting, falar sobre o Sporting CP às rádios, passar links de OCS [orgãos de comunicação social] nas redes sociais, comprar jornais desportivos e também o CM, ou ver canais portugueses sem ser por lazer ou a Sporting TV”, elencou Nuno Saraiva, ex-jornalista que já foi subdiretor do Diário de Notícias.

Numa publicação na sua página oficial de Facebook, Saraiva disse que a comunicação social portuguesa está “cheia de vícios, esquemas de manipulação, onde o terrorismo comunicacional ganha cada vez mais peso”, e lembrou o apelo de Bruno de Carvalho à “militância dos Sportinguistas em 3 aspetos fundamentais: jornais, TVs portuguesas e programas de debate desportivo”.

O responsável pela comunicação do clube acrescentou: “Claro que aqui se incluem rádios e divulgação nas plataformas digitais de links desses mesmos OCS”.

Para Saraiva, o clube tem de exigir “respeito” da parte dos jornalistas. “Não podemos pedir posturas presidencialistas institucionalmente corretas, e depois estarmos através de representantes do Sporting CP em programas de nível rasteiro que servem para nos envergonhar e humilhar”, disse.

“A única hipótese de exigirmos o respeito que merecemos, e não temos tido, é os 35% da população que significamos dizer basta a estes jornais, rádios e televisões. Se tivermos em conta os verdadeiros superiores interesses do Sporting CP, esta será a forma de invertermos rapidamente a forma fácil e constante como achincalham o nosso Clube”, acrescentou.

Saraiva quer que o Sporting deixe de estar representado nos programas de comentário desportivo, “deixando uma série de cartilheiros e paineleiros sem nível a falar sozinhos, pois não merecem ter qualquer representante” do Sporting com eles. “Eles que digam mal ou inventem, mesmo sem contraditório, porque a verdade é que só o fazem e lhes ligam porque 35% da população portuguesa ainda não disse basta”, sublinhou.

“Não comprem jornais desportivos, não vejam nenhum canal”: a intervenção final de Bruno de Carvalho

No sábado, no final da Assembleia Geral em que viu as suas propostas aprovadas por esmagadora maioria, Bruno de Carvalho instou os sócios a deixarem de consumir informação desportiva.

“Ponto 1: a partir de hoje, não comprem nenhum jornal desportivo nem aquele outro que vocês sabem. Ponto 2: não vejam nenhum canal português de televisão a não ser a Sporting TV“, disse Bruno de Carvalho.

O presidente do Sporting pediu ainda que os comentadores afetos ao Sporting abandonassem “de imediato” os programas em que participam, acusando a comunicação social de “difamar e caluniar” o clube.

Bruno de Carvalho. Sindicato pede “resposta firme e coletiva” aos jornalistas

Este domingo, o Sindicato dos Jornalistas acusou o presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, de tentar “limitar a liberdade de imprensa e de condicionar o trabalho dos jornalistas”, e informou que irá contactar “com caráter de urgência” o Governo, a Liga Portuguesa de Futebol, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e a Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC).

“O Sindicato Jornalistas (SJ) considera que as declarações proferidas, durante a Assembleia Geral do Sporting, por Bruno de Carvalho contra os jornalistas têm um teor claramente antidemocrático e insta a comunicação social portuguesa a adotar uma resposta coletiva”, lê-se numa nota divulgada pelo sindicato.

“Por isso, o SJ considera fundamental que as direções dos órgãos de comunicação social – não apenas dos diretamente visados nas declarações do presidente do Sporting, mas de todos, porque hoje são uns e amanhã serão outros – adotem uma resposta firme e coletiva perante as afirmações do presidente do Sporting“, lê-se na nota do sindicato.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.