A RTP, o canal de televisão público responsável pelo Festival da Canção, voltou atrás e decidiu explicar ao Observador o que esteve afinal na origem do erro na contagem dos televotos durante a primeira semifinal do programa. De acordo com Daniel Deusdado, diretor de programas da RTP, o erro foi cometido por uma das pessoas responsáveis por receber os votos vindos do público:

“Ao transcrever os resultados, o funcionário escreveu manualmente ‘canção número 3’ em vez de ‘canção número 13’ no papel onde registou a contagem do televoto. Esse erro foi detectado no domingo à noite, enquanto o Festival da Canção ainda decorria, mas não houve tempo para avisar os apresentadores de que estavam a dar a informação errada”.

O sistema de televoto permite ao público escolher os favoritos em cada uma das semifinais do Festival de Canção — passam sete canções de cada vez. Os votos não são entregues diretamente à RTP, mas antes recolhidos em tempo real pelas diferentes operadoras, explicou Daniel Deusdado: “Quando a votação termina, cada uma dessas operadoras envia à RTP um link onde se pode consultar a percentagem de participantes que votou em cada uma das canções, que vêm elencadas por ordem”. Depois, cabe ao canal de televisão transformar essas percentagens em pontos, tal como está previsto no regulamento do programa.

[Recorde no vídeo o erro na primeira semifinal do Festival da Canção]

[jwplatform VzQtDJC4]

Há uma equipa de três pessoas, todas funcionárias da RTP, responsáveis pela conversão. As regras dizem que a primeira música mais votada recebe 12 pontos, a segunda 10 pontos, a terceira 8 pontos, a quarta 7 e por aí adiante até que, a partir da 11ª todas recebem zero pontos. Neste domingo à noite, a canção número 3 — “Eu Te Amo” de Beatriz Pessoa e Mallu Magalhães” — recebeu o equivalente a 0 pontos pelo público. Mas, em vez disso, a pessoa responsável atribuiu esta mesma pontuação à “canção número 13” — “A Mesma Canção” de Paulo Praça e Maria Amaral. Os sete pontos que iriam para a canção número 13, acabaram “debitados” na “conta” de Mallu Magalhães e Beatriz Pessoa, que assim somariam 11 pontos, passando à final na quinta posição.

À conta deste lapso, a matemática ficou toda trocada, porque o erro fez com que a música de Mallu Magalhães ganhasse, por engano, mais pontos do que a verdadeiramente escolhida para seguir em frente — “Sem Medo” de Rui David e Jorge Palma. De acordo com o diretor de programas da RTP, todo este processo demorou dois minutos. Depois disso, a pessoa responsável por recolher a pontuação do televoto, e que se enganou, passou informação errada aos outros dois colegas: um foi entregá-la à equipa do grafismo para preparar as tabelas que foram transmitidas na televisão; e outro dirigiu-se à equipa responsável por escrever os dados no teleponto e por colocá-los nos cartões lidos em direto pelos apresentadores.

Jorge Gabriel e José Carlos Malato anunciaram os supostos sete finalistas, que afinal não estavam certos. Nessa altura, já Daniel Deusdado se tinha apercebido do erro: “Apercebi-me que os apresentadores não estavam a dar a informação correta, que tinham verbalizado algo que estava errado e tentámos perceber o que tinha corrido mal, mas entretanto já era tarde para comunicar o erro aos apresentadores para os corrigirem de imediato. Não se podia mudar nada”, explica o diretor de programas da RTP, que tinha as pontuação verdadeiras na sua posse. Como não tinha a certeza se aquela troca de pontuações mudava o quadro dos sete finalistas saídos da primeira semifinal, Daniel Deusdado preferiu esperar: chamou todos os funcionários envolvidos na produção do Festival da Canção, reviu as contas, conversou com os artistas que tinham sido anunciados erradamente e só esta manhã é que foi emitido o comunicado que dizia:

“No decurso do processo de auditoria interna, que ocorreu após a emissão do programa em direto, foi detetado que a votação final divulgada estava incorreta. Identificado o erro na transcrição dos pontos do televoto (votos do público), a RTP atuou prontamente, no sentido de esclarecer de forma transparente o sucedido, junto dos compositores e intérpretes envolvidos”.

Esta explicação surge depois de, contactada pela Observador, a assessoria da RTP ter afirmado que o canal não tinha “mais nada a acrescentar ao comunicado” enviado às redações esta manhã. Numa conversa telefónica, Ana Gaivotas dizia que o canal não ia explicar que erro foi cometido na contagem dos votos, o que esteve na sua origem, quem foi o responsável por ele ou se essa pessoa vai sofrer alguma consequência pelo engano que prejudicou duas das canções a concurso no domingo à noite: “Até por respeito a quem está envolvido neste projeto, não temos mais nada a dizer, nem vamos avançar mais nenhuma informação sobre o que aconteceu”, afirmou Ana Gaivotas ao Observador. Agora, Daniel Deusdado esclarece o que aconteceu e confirma que nenhuma das pessoas que cometeram o erro vão ser penalizadas.

Algo semelhante aconteceu na Letónia no decorrer do programa que elege a pessoa que vai representar o país no Festival Eurovisão. Nesse caso, a organização decidiu levar as duas canções — a legítima vencedora e a que foi erradamente anunciada — à final, mas isso nunca esteve em cima da mesa no caso português, diz o diretor de programas da RTP: “Não podemos passar uma música com quatro pontos quando havia outras acima dela com mais pontuação. Além disso, a equipa da canção número 13 demonstrou um fairplay total e compreenderam o erro”, esclarece ao Observador.

Com as novas contas feitas, as canções vencedoras são então:

  1. “Só Por Ela”, Pedro Madureira (composição de Diogo Clemente) — 22 pontos;
  2. “(sem título)”, Janeiro (composição de Janeiro) — 16 pontos;
  3. “Para Sorrir eu não Preciso de Nada”, Catarina Miranda (composição de Júlio Resende) — 16 pontos;
  4. “Pra Te Dar Abrigo”, Anabela (composição de Fernando Tordo) — 13 pontos;
  5. “Anda Estragar-me os Planos”, Joana Barra Vaz (composição de Francisca Cortesão) — 8 pontos;
  6. “Zero a Zero”, Joana Espadinha (composição de Benjamim) — 7 pontos;
  7. “Sem Medo”, Rui David (composição de Jorge Palma) — 7 pontos.