Rádio Observador

Eurogrupo

Centeno salienta diálogo “bastante positivo” com eurodeputados e desvaloriza receios

Mário Centeno encontra-se em Bruxelas desde segunda-feira. O presidente do Eurogrupo classificou a sua estreia como "bastante positiva", desvalorizando o receio dos eurodeputados portugueses.

STEPHANIE LECOCQ/EPA

Mário Centeno qualificou esta quarta-feira de “bastante positiva” a sua ‘estreia’ como presidente do Eurogrupo na comissão de Assuntos Económicos do Parlamento Europeu (PE) e desvalorizou os receios dos eurodeputados portugueses, considerando-os resultado de perspetivas distintas.

“Esta minha primeira visita ao PE para encetar um diálogo económico com os deputados europeus correu de forma bastante positiva. Foi notório, ao longo das diferentes intervenções, o interesse que o PE tem nas questões económico-financeiras, sendo que muitas delas são tarefa para o Eurogrupo discutir e fazer propostas”, realçou, após ter participado no primeiro “diálogo económico” com a comissão de Assuntos Económicos desde que assumiu a presidência do fórum de ministros das Finanças da zona euro (Eurogrupo).

Na sua comparência diante da comissão de Assuntos Económicos, em Bruxelas, o ministro das Finanças português ouviu o eurodeputado Miguel Viegas, do PCP, afirmar-se “um bocadinho desapontado” com a sua intervenção no PE, e José Manuel Fernandes, que é o coordenador do Partido Popular Europeu (PPE) na Comissão de Orçamentos do PE, interrogá-lo sobre as perspetivas de Portugal crescer abaixo da média europeia este ano.

Aos jornalistas, Centeno desvalorizou os receios, sublinhando que “existem diferentes perspetivas, sobre diferentes matérias na Europa, como é natural”.

“Fazem parte, também, de um debate que ocorre quer a nível nacional quer a nível europeu. Neste momento, não valorizo essas diferenças, porque estamos aqui, precisamente, para trocar impressões em matérias importantes para a Europa”, afiançou.

Sobre os receios dos partidos que apoiam o Governo quanto ao duplo papel de ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo, Centeno lembrou que o Governo tem um programa nacional que tem “uma dimensão europeia muito significativa”. “Eu, enquanto presidente do Eurogrupo, coordeno os trabalhos de um grupo que tem 19 ministros das finanças. Temos responsabilidades distintas numa função e noutra, mas a coordenação entre as duas é total”, assegurou.

Questionado sobre se é possível que, em 2018, o crescimento português seja superior aos 2,2%, Centeno recordou que já disse “várias vezes” que “o objetivo da ação governativa não é fazer previsões económicas e atualizá-las ao longo do ano”.

“Não ficaria surpreendido [com revisão em alta], porque observamos dia-a-dia indicadores da economia portuguesa que nos vão reforçando a ideia de que a economia portuguesa vai manter um crescimento forte e robusto, em contraste do que foi a experiência dos últimos dez anos da economia portuguesa”, concluiu.

Na sua condição de presidente do Eurogrupo, Mário Centeno encontra-se em Bruxelas desde segunda-feira, tendo presidido nesse dia aos trabalhos do fórum de ministros das Finanças da zona euro, participando no dia seguinte num debate sobre o “semestre europeu” no Parlamento Europeu, onde regressou neste dia para o “diálogo económico” com os deputados da comissão de assuntos económicos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)