António Costa

Costa diz que novos impostos europeus “não incidem propriamente sobre os portugueses”

311

António Costa defendeu a criação de novos impostos europeus, sublinhando que aqueles de que se fala atualmente "não são propriamente impostos que incidam sobre os portugueses".

JULIEN WARNAND/EPA

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta sexta-feira em Bruxelas a criação de novos impostos europeus que aumentem as receitas da União Europeia, sublinhando que aqueles dos quais se fala atualmente “não são propriamente impostos que incidam sobre os portugueses”.

Em declarações no final de uma cimeira informal de chefes de Estado e de Governo da UE, António Costa afirmou que o debate sobre o aumento dos recursos próprios da UE “não é uma invenção do Governo português”, mas sim “um debate em curso na Europa, que está em aberto”, e que considera fundamental, se Portugal não quer perder fundos comunitários.

“Há uma coisa que é clara: se Portugal não quer perder fundos comunitários na política agrícola, se não quer perder fundos comunitários na política de coesão, se não quer que diminuam os fundos que estão a ser disponibilizados no Horizonte 2020 (…) é necessário não só preencher a perda de receitas resultante da saída do Reino Unido”, com também reforçar as verbas para fazer face aos novos desafios e ambições, disse.

António Costa apontou que o aumento dos recursos pode ser feito através de um aumento das contribuições financeiras dos Estados-membros — “já dissemos da nossa parte estamos disponíveis para isso”, realçou -, mas também, para complementar esse esforço, “a própria UE poder ter impostos cobrados diretamente” como recursos próprios.

“Os impostos que têm vindo a ser falados não são propriamente impostos que incidam sobre os portugueses. Não incidirão sobre os portugueses certamente a taxação sobre as multinacionais norte-americanas que exploram o espaço digital da UE, e os impostos sobre as grandes transações financeiras não incidem naturalmente sobre os portugueses, mas sobre quem faz essas transações financeiras”, disse.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Incêndios

Dos governantes extraordinários /premium

Vicente Ferreira da Silva

Fazer a mesma coisa esperando resultados diferentes é a definição de insanidade- António Costa insiste na mesma metodologia há anos e continua à espera de resultados distintos. É a extraordinariedade.

Incêndios

António Costa, a vela e o fogo

José Pinto
167

No ato da criação do Mundo, Deus descansou ao sétimo dia. No caso do incêndio que assolou a zona algarvia, António Costa, ao sexto dia, veio descansar os portugueses.

Incêndios

Deixar arder /premium

Alberto Gonçalves
4.616

O que aflige nesta história é a brutal desumanidade das personagens, a começar pela principal. Aquilo espreme-se e não sai dali pingo de semelhança com o que se convencionou chamar uma pessoa.

Política

Um partido não é uma família

Sandra Clemente
142

PSD, PS, BE, CDS e CDU, em 20 anos, perderam cerca de 850 mil votos, mas não assusta esta crescente insignificância dos partidos existentes, só assusta a possibilidade de novos partidos aparecerem.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)