A filha do presidente dos Estados Unidos já está na Coreia do Sul para assistir à cerimónia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Inverno. A chegada de Ivanka Trump e da comitiva dos Estados Unidos ocorre no mesmo dia em que Donald Trump irá anunciar novas sanções contra a Coreia do Norte.

Segundo a Fox News, o presidente norte-americano avançou que irá anunciar “o maior pacote de sanções de sempre” contra a Coreia do Norte: ações que têm como objetivo cortar não só “as fontes de rendimento e de combustível que o regime usa para financiar o programa nuclear e manter as forças armadas, tendo como alvo 56 embarcações e empresas de transporte e comércio que estão a ajudar a Coreia do Norte a evadir as sanções”.

O anúncio será feito esta sexta-feira depois das 10h (15h em Lisboa), durante a Conferência da Ação Política Conservadora (Conservative Political Action Conference). Estas sanções surgem ainda numa altura em que a relação entre as duas Coreias parece estar a melhorar — apesar de o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, ter considerado ser cedo demais para participar numa cimeira com Kim Jong-un, convite feito pela irmã do líder norte-coreano.

De acordo com o New York Times, a comunicação social sul-coreana — em particular as televisões — cobriu a chegada de Ivanka e da comitiva norte-americana ao Aeroporto Internacional de Incheon, que inclui a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders.

“Estamos muito entusiasmados por assistir aos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018, por torcer pela equipa norte-americana e por reafirmar o nosso forte e duradouro compromisso com o povo da República da Coreia. Estamos entusiasmados por estar aqui e esperamos ansiosamente por vários dias fantásticos”, afirmou a também conselheira de Donald Trump à chegada.

A presença da filha do Presidente norte-americano tem como objetivo fortalecer as relações entre Washington e Seul. Ivanka Trump jantou com o presidente sul-coreano, Moon Jae-in. Seguindo a tradição, foi preciso trocar os sapatos por uma espécie de chinelos (vermelhos, no caso de Ivanka).

Uma comitiva da Coreia do Norte — entre eles Kim Yong-chol, vice-presidente do Comité Central do partido —  também irá marcar presença na cerimónia de encerramento. Contudo, a Coreia do Sul já adiantou que não haverá uma reunião formal entre os representantes dos dois países, lê-se na BBC. Recorde-se que Mike Pence, vice-presidente dos EUA, chegou a ter uma reunião marcada com a irmã de Kim Jong-un, mas que foi cancelada à última hora pela Coreia do Norte.

A ida de Ivanka Trump à Coreia do Sul tem sido comparada com a da irmã de Kim Jong-un, que também esteve nos Jogos Olímpicos de Inverno há cerca de duas semanas. Os media sul-coreanos chegaram mesmo a apelidar Kim Yo-jong de “Ivanka da Coreia do Norte”. A sua presença foi tão mediática que ofuscou a de Mike Pence.

“Em termos simbólicos, a administração Trump claramente perdeu a primeira ronda contra os norte-coreanos e o presidente [Donald Trump] espera que o star power de Ivanka Trump tenha um melhor resultado”, afirmou Evan Resnick, coordenador do programa americano na S. Rajaratnam School of International Studies à CNN.

“Ivanka Trump é provavelmente a melhor [pessoa] em termos de relativa boa reputação, com um carisma razoável e com star power. Em termos simbólicos, ela é provavelmente a melhor cara desta administração.”