Operação Lex

Operação Lex. Álvaro Sobrinho suspeito de suborno a Rui Rangel

284

O ex-banqueiro é suspeito de ter subornado o juiz Rui Rangel e deve ser constituído arguido no âmbito da Operação Lex assim que estiver em Portugal. O seu escritório em Lisboa foi alvo de buscas.

O escritório de Álvaro Sobrinho nas Amoreiras, em Lisboa, foi alvo de buscas da Polícia Judiciária (PJ) no passado dia 15. Em causa, avança o Correio da Manhã, está uma investigação no âmbito da Operação Lex e as suspeitas de que o empresário luso-angolano subornou o juiz Rui Rangel, no Tribunal da Relação.

Nas buscas ao escritório do empresário que é também e o maior acionista privado da SAD do Sporting, através da Holdimo, e foi presidente do BES Angola, foram apreendidos diversos documentos, relata o jornal. As suspeitas da justiça portuguesa envolvem um caso, em 2015, em que o juiz Rangel devolveu a Sobrinho 30 imóveis no valor de 80 milhões, que estavam arrestados num processo de branqueamento de capitais. O polémico acórdão anulava assim uma decisão que tinha sido tomada pelo juiz Carlos Alexandre, na sequência de uma investigação do DCIAP.

Álvaro Sobrinho é agora suspeito de ter subornado o magistrado da Relação, através do seu advogado João Rodrigues, antigo presidente da Federação Portuguesa de Futebol, que já foi constituído arguido por corrupção ativa.

O empresário luso-angolano deverá também ser constituído arguido pelo mesmo crime quando vier a Portugal.

[Veja no vídeo 5 pontos em comum entre as Operações Lex e Marquês?]

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido
2.378

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)