Rádio Observador

Angola

Ao fim de 16 anos ainda se pergunta se corpo de Savimbi está no cemitério do Luena

Dezenas de pessoas prestaram homenagem a Savimbi no cemitério de Luena, mas a dúvida sobre se os restos mortais do líder fundador da UNITA estão naquela campa persistem, 16 anos depois.

PAULO JULIÃO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Dezenas de pessoas prestaram homenagem a Jonas Savimbi, este sábado, no cemitério municipal do Luena, província do Moxico, mas a dúvida sobre se os restos mortais do líder fundador da UNITA estão mesmo naquela campa persistem, 16 anos depois.

Morto em combate naquela província do leste de Angola a 22 de fevereiro de 2002, as cerimónias do aniversário da morte do histórico guerrilheiro angolano decorreram este sábado em todo o país, mas foram mais sentidas no cemitério do Luena, onde, na versão oficial, foi enterrado, depois de ter sido abatido na mata pelas forças governamentais.

Totalmente fechada, em cimento, e sem qualquer símbolo do partido do ‘galo negro’, a campa de Jonas Savimbi no Luena foi palco de emoções, como a Lusa constatou no cemitério. Para muitos, o local é apenas simbólico, por ainda se acreditar que os restos mortais podem ter sido colocados noutro lugar pelo Governo angolano, liderado pelo MPLA.

Sabe o MPLA se o corpo está aqui ou não. Nós aceitamos porque foi nesse local onde nos indicaram, que foi ali que sepultaram o corpo do nosso dirigente. Portanto, temos efetuado essas honras anualmente”, explicou à Lusa, junto à sepultura, o “mais velho” Afonso Nzimba, brigadeiro na reforma e que combateu ao lado de Savimbi entre 1966 e 2002.

Aos 75 anos, é um dos que visita a campa do fundador da UNITA no Luena regularmente, sobretudo nos dias especiais, e ainda não esqueceu a notícia da morte:

O dia 22 de fevereiro para mim foi um dia de grande tristeza porque vi-me isolado. E o povo angolano também”.

Liderava então operações da UNITA na região 29, no sul de Angola, quando ouviu o Governo reclamar vitória. A mesma que o brigadeiro, 16 anos depois, relativiza, emocionado.

“Ele [Governo] pensou assim, que a morte do doutor Savimbi constituiu vitória. Mas, para nós, constituiu uma grande perda para o povo angolano. Porque até agora o povo angolano continua sem a verdadeira paz, continua na miséria”, desabafa, rodeado de outros veteranos da guerra que comparecem hoje no cemitério do Luena, a mais de 1.200 quilómetros de Luanda, juntamente com dezenas de jovens.

Como é hábito, no cemitério, no interior e no exterior, marcaram presença vários agentes policiais, que seguiram de perto as cerimónias, as quais decorreram durante uma hora, nas línguas tradicionais e em português.

Jonas Malheiro Savimbi morreu aos 67 anos, acossado por uma ofensiva das tropas governamentais, a lutar, tal como o fizera ao longo da vida, primeiro contra o regime colonial português, depois contra o MPLA.

Ao longo de quase 40 anos perseguiu o ideal de resgatar a etnia ovimbundo, maioritária no centro e leste de Angola, onde nasceu, da tradicional dominação dos kimbundos, dominantes na região de Luanda e centro norte.

Foi derrubado por 15 tiros próximo do rio Lungué Bungo, e os seus restos mortais permanecem no cemitério de Luena, leste de Angola. “Supostamente”, aponta à Lusa o líder da UNITA no Moxico, João Caweza.

Estamos ainda com grandes dúvidas. É verdade que quem mandou executar o doutor Savimbi, ele, mais que nós, conhece o verdadeiro local onde é que o doutor Savimbi se encontra neste momento”, afirma.

Passados 16 anos da morte, que levou dois meses depois à assinatura dos acordos de paz, a UNITA e a família continuam sem fazer o funeral prometido, no cemitério familiar, na aldeia de Lopitanga, município do Andulo, a cerca de 130 quilómetros a norte do Kuito, província do Bié.

“Caberá agora às autoridades, 16 anos dá para se fazer um processo, porque a reconciliação nacional é um processo, mas que tem de ser seguido com atos. E o Governo, que diz estar em condições para uma reconciliação genuína, já que nós estamos a fazer também 16 anos de paz, esperamos que nos diga que o doutor Savimbi está aqui ou se encontra noutro local”, desabafa, à Lusa, João Caweza, também deputado eleito pelo Moxico nas listas da UNITA.

Da incerteza sobre a correta localização do corpo de Savimbi à falta de autorização do Governo para a exumação do corpo ou mesmo devido ao facto de o cemitério de Lopitanga ainda permanecer parcialmente minado, tudo tem ajudado a dificultar o processo.

“A própria UNITA saberá se assumir. Levaremos os restos mortais dos nossos entes queridos [outros dirigentes também mortos em 2002], dos nossos dirigentes, para serem sepultados nos locais mais condignos, conforme, também, a pretensão da própria família”, sustenta João Caweza.

Líder da UNITA no Moxico desde 2005, diz que os contornos da morte ainda lhe “reservam grandes dúvidas”, até porque foi também no Moxico onde Jonas Savimbi fundou a UNITA e onde acabaria por falecer.

“Mas porque razão manter uma pessoa morta, mas escondida? Será que o doutor Savimbi continua a lutar sozinho?”, questiona.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)