Jerónimo De Sousa

PCP não abdica de ser comunista e está orgulhoso do seu papel, diz Jerónimo de Sousa

510

Líder dos comunistas discursou na conferência do centenário de Marx e sublinhou que o país precisa de um "PCP reforçado" para conseguir a "superação do capitalismo".

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, garantiu este sábado que o partido não abdica de ser comunista e está “consciente e orgulhoso do seu papel”, considerando que a “superação do capitalismo” precisa de um PCP “forte e reforçado”.

Na abertura da conferência do “II Centenário do Nascimento de Karl Marx”, que decorre até domingo, em Lisboa, Jerónimo de Sousa defendeu que comemorar esta data é “erguer todas as capacidades para cumprir as tarefas da luta” que travam “em defesa dos interesses dos trabalhadores.

“Foi no processo mundial de alargamento da difusão do marxismo que, em 1921, foi fundado o Partido Comunista Português. Um Partido Comunista que não abdica de o ser, consciente e orgulhoso do seu papel, firme no seu ideal e na afirmação do seu projeto transformador e revolucionário de luta pela construção do socialismo e do comunismo”, enfatizou.

A “superação do capitalismo”, que na opinião do líder comunista se assume com crescente importância, “precisa de um Partido Comunista forte e permanentemente reforçado, assumindo o seu papel de vanguarda em estreita ligação à classe operária, aos trabalhadores e ao povo”.

Jerónimo de Sousa citou por diversas vezes Karl Marx ao longo do seu discurso de quase meia hora, considerando que, como o filósofo anteviu, o capitalismo refinou “a sua natureza exploradora, opressiva, agressiva e predadora”.

Para o secretário-geral do PCP, este refinamento está claro “na última grande crise cíclica do sistema capitalista, desencadeada em 2007, 2008 e que estende até ao presente”.

“Uma crise que se traduziu num pesado fardo de programas de ajustamento para as costas dos trabalhadores e dos pobres, no agravamento das condições de exploração do trabalho, ao mesmo tempo que se ofereciam recursos abissais ao grande capital, particularmente para o sistema financeiro”, voltou a criticar.

O capitalismo, criticou Jerónimo de Sousa, tenta “contrariar os efeitos da crise estrutural através da baixa salarial, da redefinição do trabalho no sistema produtivo e da liquidação dos direitos económicos, sociais e culturais”.

O líder do PCP citou Marx e Engels para deixar um aviso claro sobre o presente: “os comunistas são, na prática, o setor mais decidido, sempre impulsionador, dos partidos operários de todos os países”.

“O proletariado, mesmo constituindo a grande massa da população do planeta, só terá condições de levar a cabo o seu papel histórico elevando a sua organização”, alertou.

Jerónimo de Sousa voltou a usar a história para referir que “aqueles que, perante as trágicas derrotas do socialismo no findar do século XX, procuram descredibilizar o marxismo-leninismo e o próprio Marx deveriam saber que o pensamento marxista sempre se desenvolveu tirando lições das experiências positivas e negativas do movimento operário, das vitórias e derrotas da luta emancipadora dos trabalhadores e dos povos”.

“Os comunistas não têm medo da verdade por mais dura que seja”, afirmou, considerando que “o marxismo é uma teoria que, afastada da realidade social e desligada das massas,” definha.

O líder do PCP referiu ainda que aqueles que veem “nos clássicos um catálogo de respostas prontas a usar para os problemas concretos da luta revolucionária” estão enganados, uma vez que esta “só pode ser encontrada na análise concreta da realidade de cada país”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Utopias e irrealismos de António Costa /premium

Luís Rosa
452

Independentemente das equações eleitorais, o período de governação de António Costa arrisca-se a ficar para a história como uma oportunidade perdida -- como foram os Governos Guterres.

Política

Um partido não é uma família

Sandra Clemente

PSD, PS, BE, CDS e CDU, em 20 anos, perderam cerca de 850 mil votos, mas não assusta esta crescente insignificância dos partidos existentes, só assusta a possibilidade de novos partidos aparecerem.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)