Rádio Observador

Fogo de Pedrógão Grande

Pedrógão Grande. Fotografia do “Região de Leiria” vence prata nos “óscares do design jornalístico”

1.370

Fotografia do incêndio colocou o Região de Leiria ao lado do New York Times, Washington Post e Los Angeles Times nos prémios que são considerados os "óscares" do jornalismo em grafismo e imagem.

Na primeira página do Região de Leiria de 22 de junho de 2017 figura uma imagem de Maria do Rosário, de 84 anos, no meio do pinhal ardido

O jornal Região de Leiria venceu este sábado a medalha de prata na categoria Breaking News nos prémios internacionais de design jornalístico da Society for News Design — considerados os “óscares” do jornalismo na área do design e grafismo –, com a primeira página do dia 22 de junho de 2017, relativa ao incêndio de Pedrógão Grande.

Entre os premiados nesta edição dos prémios encontram-se o jornal norte-americano The New York Times, que venceu a medalha de ouro na categoria de Retrato; o também norte-americano The Washington Post, que levou a prata na mesma categoria; e ainda o Los Angeles Times, que venceu o ouro na categoria de Breaking News, o único à frente do jornal regional leiriense.

O anúncio foi feito esta tarde pela organização, através da rede social Twitter, e confirmado ao Observador pelo diretor do Região de Leiria, Francisco Rebelo dos Santos, que sublinhou ter sido o próprio fotojornalista Joaquim Dâmaso, autor da fotografia da capa, que apresentou a candidatura.

A primeira página daquela edição é composta apenas por uma fotografia do fotojornalista Joaquim Dâmaso, que se tornou um ícone da tragédia que afetou a região centro do País no início do verão passado.

Em declarações ao Observador, o fotojornalista Joaquim Dâmaso mostrou-se satisfeito pelo reconhecimento internacional ao lado dos grandes jornais do mundo. “Isto é um prémio muito importante quer para mim quer para o jornal“, disse Dâmaso, sublinhando que a imprensa regional de Leiria tem feito “escola” no aspeto gráfico.

Este ano, por razões infelizes, houve algo no nosso país a ser noticiado a nível mundial, pelo que o nosso trabalho ganhou outra dimensão”, disse ainda o fotojornalista.

Para Joaquim Dâmaso, o prémio mostra também a relevância dos jornais regionais, apesar de se notar “cada vez menos” a diferença entre órgãos nacionais e regionais. Ao mesmo tempo, os jornais regionais “passam os mesmos problemas que passam os nacionais”, recorda o fotojornalista, sublinhando a importância destas publicações na realidade do país.

A fotografia tornou-se célebre no país enquanto imagem da destruição causada pelos incêndios deste verão. Na fotografia figurava apenas Maria do Rosário, de 84 anos, natural do concelho de Figueiró dos Vinhos, no noroeste do distrito de Leiria, sozinha no meio de uma mata ardida, a chorar, com um pequeno regador na mão.

Em novembro, a mesma primeira página já tinha sido considerada a melhor primeira página do ano pelo júri dos prémios de design editorial ÑH2017 — a versão ibérica do mesmo prémio agora atribuído. A fotografia ocupava a capa e a contracapa do jornal, e o título “Azar ou incúria?”

O incêndio que deflagrou em 17 de junho em Pedrógão Grande (distrito de Leiria), atingindo vários concelhos vizinhos, esteve ativo uma semana e causou, segundo o balanço oficial feito no verão, 64 mortos e mais de 250 feridos.

Registou-se ainda o atropelamento de uma mulher que fugia das chamas e, já em novembro, morreu uma mulher que estava internada com ferimentos graves.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)