A Frente Comum dos Sindicatos da Administração Pública considerou esta segunda-feira ser injustificável que os pagamentos das progressões tenham chegado apenas a 40 mil trabalhadores.

“Não faz nenhum sentido que os pagamentos não tenham chegado a todos os funcionários. Creio que nada justifica isto. Se o Governo acha que a lei é complexa então tinha-a feito de outra forma. Nós não aceitamos que os serviços não tenham condições para fazer o processamento das posições remuneratórias”, disse a dirigente da Frente Comum, Ana Avoila.

Para a responsável, que falava aos jornalistas após uma reunião com a secretária de Estado da Administração e Emprego Público no Ministério das Finanças, o Governo está a “fazer cativações à conta da função pública”.

“Se o Governo se desculpa com os serviços, então está a dizer que os serviços da administração pública são todos incompetentes e nós não pensamos isso. Por experiência, sabemos, perfeitamente, que têm condições para aplicar toda a legislação”, notou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Governo anunciou neste dia que 40 mil trabalhadores da administração central, pertencentes a 125 organismos, já tiveram a valorização remuneratória em janeiro e fevereiro. No entanto, o Governo prevê duplicar os números apresentados em março.

O Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE) também já reagiu a este valor, considerado tratar-se de “um universo diminuto”.

A FESAP que, à semelhança das outras entidades também esteve reunida no Ministério das Finanças com a secretária de Estado Maria de Fátima Fonseca, considerou que era expectável que os serviços estivessem mais preparados para efetuar os pagamentos.