No passado domingo, Aline Frazão e Susana Travassos tinham dado o Festival da Canção como perdido. Mas a partir desta terça-feira está outra vez na corrida para representar Portugal na Eurovisão, que este ano se realiza em Lisboa. É que Diogo Piçarra, que tinha sido apurado para a final com o máximo de votos — 12 do público e 12 do júri –, desistiu do Festival, na sequência da polémica do alegado plágio.

O anúncio foi feito através do Instagram do cantor e com ele a questão: “E agora?”. Minutos depois, a RTP informava através de um comunicado que, com a desistência de Diogo Piçarra, segue para a final a música interpretada por  Susana Travassos e composta por Aline Frazão, “Mensageira” — que tinha ficado em oitavo lugar na segunda semifinal do Festival da Canção. Foi a canção número 10 e pode voltar a ouvi-la aqui:

Ao Observador, Júlio Isidro, presidente do júri, chegou a dizer que havia “duas situações a ser equacionadas”: a final realizar-se só com 13 canções ou fazer avançar a canção que tinha ficado em oitavo lugar na segunda semifinal. Entretanto, um comunicado enviado pela RTP confirmava que a canção de Aline Frazão iria mesmo ocupar o lugar tornado vago e assumir o “número 760 100 802 (sorteado para Diogo Piçarra), com a contagem a iniciar-se do zero a partir de agora”.

A compositora da canção que agora vai concorrer com outras 13 no final do Festival da Canção é Aline Frazão. Nasceu em 1988, em Luanda. Cantora, compositora, guitarrista e produtora, foi em 2011 que lançou o seu álbum de estreia, intitulado Clave Bantu. Em maio de 2013 editou o seu segundo álbum, Movimento. O seu mais recente disco, “Insular”, foi lançado em 2015. No último trimestre deste ano chegará um novo conjunto de canções.

[Veja no vídeo a atuação de Aline Frazão na redação do Observador]

[jwplatform v5oNkGa7]

A intérprete, Susana Travassos, é algarvia mas passou grande parte da sua vida no Brasil — onde fez duetos com artistas como Zeca Baleiro e Fagner e protagonizou atuações com Toninho Horta, Yamandu Costa, Xico César ou Xico Pinheiro. Tem três álbuns. Um, com o qual começou a sua carreira em 2008, é um tributo a Elis Regina, e intitula-se “Oi Elis”. Outro, com o guitarrista brasileiro Chico Saraiva. E um último que ainda não foi lançado, gravado em Buenos Aires.