O lance, em imagem corrida, parecia não trazer nada de bom. O lance, em repetição, confirmou que podia ser algo de mau. O lance, na avaliação médica, superou as piores expetativas: além da entorse externa no tornozelo direito aos 77 minutos do PSG-Marselha, Neymar sofreu também uma fissura no quinto metatarso. A lesão, grave, não deixava grande margem, mas o próprio jogador não tem dúvidas: entre Liga dos Campeões e Campeonato do Mundo, o brasileiro já se decidiu.

Dentro deste cenário, as opções de recuperação para o encontro no Parque dos Príncipes com o Real Madrid, a contar para a segunda mão dos oitavos da Champions, eram praticamente nulas (até porque se, no domingo, tinha ficado apenas confirmado a inexistência de fratura, esta segunda-feira foi detetada a fissura no metatarso). Ainda assim, poderia haver a hipótese de um tratamento sem recurso à cirurgia para, em caso de passagem à próxima fase da prova, estar apto a contribuir para aquele que foi o grande objetivo na mudança para Paris: a conquista da principal prova europeia de clubes. De acordo com o As, o número 10 do conjunto gaulês recusou essa terapia, por não querer forçar o problema nem jogar infiltrado.

Ia chamar-se Mateus, quase morreu aos quatro meses, foi pai aos 19 anos: bem-vindo ao mundo de Neymar

Como avança o Globoesporte, o jogador optou por resolver já o problema e será operado nos próximos dias (desconhece-se ainda o médico e o local), parando pelo menos dois meses e regressando a cerca de um mês do arranque do Mundial, numa altura que deverá coincidir não só com o final do Campeonato (que parece estar controlado pelo PSG) mas também com as meias-finais da Champions, que se realizam entre a última semana de abril e a primeira de maio. Ainda assim, e comparando por exemplo com a intervenção semelhante que o também brasileiro Gabriel Jesus teve de fazer no Manchester City, não é crível que o avançado esteja nas melhores condições para entrar nessa eliminatória, caso os franceses lá cheguem.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Certo parece estar também o substituto de Neymar no decisivo encontro com o bicampeão europeu Real Madrid (que venceu a primeira mão no Santiago Bernabéu por 3-1): Angel Di María. Como analisa o Sport, as características do argentino, sendo diferentes do brasileiro, trazem outras nuances à equipa, nomeadamente o aumento do jogo pelo corredor esquerdo em detrimento das movimentações para dentro. Assim, a “chave” do sucesso do conjunto de Emery poderá entroncar em Rabiot, médio que marcou em Madrid e que deixará de estar tão preso em ações defensivas para “compensar” Neymar.

We’ll always have Pari… Ronaldo (a crónica do Real-PSG)

Dentro deste cenário, Unai Emery acabou por surpreender em conferência de imprensa, deixando no ar até uma pequena possibilidade de defrontar o Real Madrid. “É preciso ter paciência, existe ainda uma pequena possibilidade de jogar contra o Real Madrid. As informações sobre a operação são falsas e temos de esperar para tomar uma decisão”, salientou, em declarações citadas pela Marca. Ainda assim, Neymar deverá mesmo ser operado e parar dois meses.