Antes de qualquer outra reflexão sobre moda, estilo, historial de galardões e desempenho no grande ecrã, importa explicar como se pronuncia o nome da atriz norte-americana de ascendência irlandesa. Saoirse é um nome irlandês, mas se formos ao gaélico escocês encontramos a palavra liberdade como significado. A atriz é a primeira a dar exemplos das diversas formas como o seu nome é mal pronunciado. Na realidade, dependendo da região da Irlanda poderá dizer-se “Sirsh-uh” e “Sear-sha“. Em qualquer um dos casos, é difícil chegar lá se ajuda.

E sim, esta é a terceira nomeação de Saoirse aos Óscares, a segunda na categoria de Melhor Atriz Principal. Em 2008, com apenas 13 anos, esteve nomeada na categoria de Melhor Atriz Secundária pela prestação no filme Expiação, prémio que acabou por ser arrecadado por Tilda Swinton. Foi a primeira vez de Saoirse na red carpet mais famosa do mundo, mas também a da sua mãe. Recentemente, no talk show de Jimmy Kimmel, a atriz contou que, nessa mesma estreia, a mãe terá tido um ligeiro desentendimento com George Clooney que, incauto, lhe pisou a cauda do vestido. Há dois anos, voltou. Dessa vez, o role já foi de protagonista, pelo filme Brooklyn, mas Brie Larson venceu o Óscar.

Nesta temporada, já levou alguns prémios para casa. Além do Globo de Ouro de Melhor Atriz (Musical ou Comédia), onde acumula exatamente as mesmas nomeações que tem nos Óscares, foi também distinguida nos New York Film Critics Circle Awards, nos Gotham Awards, e no Festival de Cinema Internacional de Palm Springs.

Aos 23 anos e com cara de menina, Saoirse tira partido do ar juvenil, tanto que foi escolhida por Greta Gerwig para desempenhar o papel de Lady Bird McPherson, uma adolescente de 17 anos às voltas com decisões para o futuro e com emoções no geral. O filme Expiação, onde contracenou com Keira Knightley e James McAvoy, trouxe-a para a ribalta. Depois disso, brilhou em Visto do Céu, de Peter Jackson, em Nómada, no Grand Budapest Hotel de Wes Anderson e em Brooklyn.

Nos últimos meses, a imagem de Saoirse mudou. A responsável é Elizabeth Saltzman, que conta com Uma Thurman e Gemma Arterton na sua carteira de clientes e que vestiu Gwyneth Paltrow para os Óscares de 2012 (lembra-se do Tom Ford branco com capa, não lembra?). Citada pela versão irlandesa do Independent, a atriz fala sobre o primeiro contacto com a stylist. “Quando comecei a trabalhar com ela, disse ‘Não uso cor-de-rosa, não uso brilhos, não uso flores’. E ela: ‘Ok, podes ao menos experimentar este vestido cor-de-rosa, com lantejoulas e às flores, por favor?’ E ficou fantástico”, conta.

Ao mesmo tempo que começou a explorar o mundo da cor, também o cabelo foi ficando menos girly. Solto e liso ou simplesmente apanhado, a fazer lembrar a imagem forte de Tilda Swinton, com as opções de maquilhagem a fazerem brilhar a sua tez branca, é assim que Saoirse tem pisado as últimas passadeiras vermelhas. No que toca aos vestidos, a atriz tem corrido algumas das maiores casas de moda da Europa. Michael Kors, Rodarte e Christopher Kane são escolhas recorrentes, se bem que a stylist de serviço tem andado cada vez mais inclinada para os clássicos europeus. Nas últimas semanas, vimos a atriz vestir Chanel, Versace, Louis Vuitton e Gucci.

A começar pela esquerda: Givenchy, (© Pascal Le Segretain/Getty Images) Viktor & Rolf (© Francois Durand/Getty Images) e Schiaparelli (© Patrick Kovarik/AFP/Getty Images)

Para domingo à noite, são estas as nossas sugestões. Já que Saoirse está numa de alta-costura europeia e decidiu render-se às flores, aos brilhos e aos tons mais frágeis, comecemos por um vestido Givenchy, acabado de desfilar na semana da alta-costura de Paris (em janeiro). Sem deixar a cidade luz e porque, volta e meia, a atriz arrisca em vestidos curtos, achámos essencial ter à mão este modelo da dupla Viktor & Rolf. Bem mais princesa e ainda assim com um quê de irreverência, o terceiro vestido é Schiaparelli e também ficava nada mal sobre a carpete vermelha.