"Não houve qualquer contacto para o meu telemóvel"

O advogado Proença de Carvalho diz que os contactos para o escritório não provam a tese que o procurador Orlando Figueira, julgado por corrupção, apresenta em tribunal. E que só o conheceu em 2015.

Por Sónia Simões