Rádio Observador

CTT

PS contra deslocação de Distribuição Postal e 43 carteiros do Porto para Gaia

O PS/Porto protestou contra a deslocação do Centro de Distribuição Postal do Porto para Gaia. Manuel Pizarro responsabiliza a Anacom pela deterioração do serviço prestado pelos CTT.

MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

O PS/Porto protestou esta terça-feira contra a deslocação do Centro de Distribuição Postal (CDP) daquela cidade para Vila Nova de Gaia, “responsabilizando a Anacom” pela “deterioração” do serviço prestado pelos CTT e admitindo a renacionalização da empresa.

Numa ação de rua que incluiu a distribuição de panfletos com o aviso do encerramento do CDP das “zonas 4000 e 4050”, o presidente da Federação Distrital do PS/Porto defendeu ser necessário “pressionar a opinião pública para que os CTT cumpram a sua “obrigação de serviço público” e para que “a entidade reguladora, a Anacom, tenha vergonha e faça o seu papel de impedir a destruição do serviço postal universal”.

Manuel Pizarro notou que, sendo uma entidade privada, os CTT “têm uma obrigação de serviço público à qual estão a tentar escapar”, avisou que “o Estado não está desarmado” perante o processo em curso e referiu a hipótese de, “em última instância, voltar a nacionalizar” a empresa.

Pizarro falava aos jornalistas nas imediações do CDP existente junto à Câmara do Porto, e que os CTT decidiram encerrar, transferindo os serviços e “43 carteiros” para “as Devesas, em Gaia”, o que significa “percursos mais longos e mais atrasos no correio”.

“Aparentemente, o contrato de arrendamento terminou. Não fazemos questão que o CDP continue a funcionar aqui. O que parece irracional, do ponto vista da qualidade do serviço postal, é que os carteiros, que saem a pé com as malas para a distribuição, passem a sair de uma distância muito maior”, alertou o socialista.

Em causa está a distribuição de correio com os códigos postais 4000 e 4050, o que “abrange não só o centro do Porto mas vai para lá da Boavista”, esclareceu Pizarro, acrescentando que, para além deste, o Porto tem mais três CDP. “O país todo tem de se unir para dizer ‘basta’ a esta forma de dirigir empresa que, sendo privada, tem responsabilidades de serviço público cada vez pior asseguradas”, frisou.

“Para já, estamos a protestar nos órgãos próprios, mobilizar as autarquias, e tem de se obrigar a Anacom a cumprir a sua função de regulação. Admito que, em última instância, possa estar mesmo em causa a decisão de voltar a nacionalizar os CTT”, afirmou o também vereador do PS na Câmara do Porto.

Pizarro esclareceu que a nacionalização será a “última linha” do processo, mas deixou um aviso: “É preciso que estes senhores que estão a destruir os CTT tenham consciência de que o Estado português não está desarmado perante aquilo que eles estão a fazer”.

“Acho que o Estado, e aqui incluo também as obrigações do Governo, tem de fazer tudo ao seu alcance para obrigar ao cumprimento do serviço postal universal”, vincou o presidente do PS/Porto, que participou na iniciativa acompanhado do presidente da concelhia, e de deputados socialistas na Assembleia da República. Para Pizarro, “numa sociedade democrática a pressão da opinião pública conta” e “é preciso que fique claro que a empresa privada tem uma obrigação de serviço público à qual estão a tentar escapar”, disse.

Pizarro observou ainda que “chegará a altura de tratar com o Governo deste assunto”. “Nesta primeira fase quero responsabilizar sobretudo a Anacom, que devia explicar aos portugueses como está a exercer a sua função de regulação”, afirmou. Pizarro lamentou ainda a “forma como foi feita privatização pelo governo anterior, com um caderno de encargos irresponsável”.

Também presente no protesto, Henrique Pereira, representante do Sintel – Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicação, explicou que transferir os serviços para Gaia vai “implicar maiores atrasos para além dos que já existem”, até porque os carteiros “passam a ter de atravessar uma ponte” para fazer o serviço.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)