Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os republicanos na Câmara dos Representantes não devem aprovar a alteração da idade mínima para comprar armas automáticas nos EUA. A proposta, defendida inclusive pelo Presidente, Donald Trump, é de aumentar a idade mínima de 18 para 21 anos.

“Não devíamos proibir as armas para os cidadãos que cumprem a lei”, disse Paul Ryan, líder dos republicanos na Câmara dos Representantes, que estão em maioria naquele órgão legislativo. “Devíamos focar-nos em garantir que as pessoas que não devem ter acesso a essas armas não tenham acesso a essas armas.”

A alteração da idade mínima para comprar armas automáticas de 18 para 21 anos é uma das proposta de Donald Trump, feitas em reação ao mais recente tiroteio em massa nos EUA, desta vez numa escola secundária na Florida, onde morreram 17 pessoas.

“Eu apoiarei fortemente uma verificação de backgrounds abrangente, com ênfase na saúde mental. Aumentar a idade para 21 e terminar a venda de bump stocks [mecanismo recente que permite tornar uma arma semi-automática numa automática]. O Congresso está com vontade de finalmente fazer alguma coisa em relação a este tema — espero eu!”, escreveu o Presidente dos EUA.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ainda assim, Paul Ryan admitiu que há “falhas no sistema de verificação de background que precisam de ser corrigidas”.

O líder dos republicanos na Câmara dos Representantes também lançou críticas à atuação das autoridades em torno deste tiroteio. Depois do incidente, foi noticiado que colegas e familiares do atirador já tinham alertado as autoridades 39 vezes em relação ao seu comportamento perigoso. Mais recentemente, também foi tornado público que houve agentes das autoridades que estiveram na escola onde decorreu o tiroteio, mas que evitaram confrontar o atirador.

“Vemos aqui um falhanço enorme do sistema”, disse Paul Ryan. “Neste caso, houve muitos falhanços. Desde as autoridades locais, até ao FBI receber denúncias que não seguiu, até polícias na escola que foram treinados para proteger as crianças nestas escolas e que não o fizeram. Isso, para mim, é o que mais me impressiona.”